'Saímos de cabeça erguida', diz Fabi após revés no vôlei

A perda do título do Mundial feminino de vôlei para a Rússia, após nova derrota por 3 sets a 2 para o rival na final da competição, deixou as jogadoras da seleção brasileira aos prantos neste domingo, em Tóquio. A líbero Fabi, que também fez parte da seleção derrotada pela russas na decisão da competição em 2006, não conseguiu conter as lágrimas e disse que a medalha de prata precisa ser valorizada.

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2010 | 16h25

"No quarto set, elas jogaram a vida e conseguiram abrir vantagem. No tie-break, voltamos para o jogo, mas não deu. Fizemos o nosso máximo e temos que ter orgulho de ter disputado mais uma final de Mundial. Saímos de cabeça erguida. Agora vamos voltar para o Brasil e continuar trabalhando", ressaltou Fabi, que não conteve o choro depois da decisão.

Já a atacante Sheilla, que foi a segunda maior pontuadora do confronto com a Rússia, com 26 acertos, ficando atrás apenas da russa Gamova, com 35, lembrou que a seleção chegou à final de forma invicta e após superar as ausências de Mari e Paula Pequeno, que se lesionaram e não puderam jogar o Mundial.

"Fico triste porque treinamos demais durante o ano todo, superamos as perdas da Mari e da Paula e merecíamos ganhar. Queria que as coisas fossem diferentes. Paramos de jogar no quarto set. Tentamos voltar no quinto set, mas não mantivemos o ritmo no final. A Gamova jogou demais hoje (domingo) e fez a diferença", disse Sheilla, reforçando que "realmente não existe muita diferença entre as duas seleções" que disputaram a decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiMundialBrasilRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.