Arquivo/AE
Arquivo/AE

São Caetano e Rexona ficam a uma vitória da semifinal

Time do ABC vence o Mackenzie/Cia. do Terno por 3 sets a 0, mesmo placar do time do Rio sobre o Minas

Redação

21 de março de 2009 | 15h01

O São Caetano/Blausiegel venceu o Mackenzie/Cia. do Terno por 3 sets a 0 (25/18, 25/16 e 25/18), em Belo Horizonte, na primeira partida da série melhor de três das quartas-de-final da Superliga Feminina de vôlei 08/09. O time paulista, das campeãs olímpicas Mari, Sheilla e Fofão, levou 1h21 para definir o jogo neste sábado.

Veja também:

linkSuperliga: São Bernardo começa quartas-de-final com vitória  

linkFinasa/Osasco supera Banespa e abre vantagem na Superliga

   

Campeão dos quatro turnos da Superliga feminina, o Rexona contou com a presença de Virna e não teve dificuldade para sair na frente nos playoffs. "Estou ganhando ritmo para me igualar às demais jogadoras do elenco. Mas gostei muito do jogo de hoje. Espero poder ajudar o Rexona nessa fase decisiva", declarou a jogadora ao Sportv.

A oposto Sheilla, do time do ABC paulista, foi a maior pontuadora do jogo, com 16 acertos. A companheira de equipe e ponteira Dayse foi eleita a melhor jogadora em quadra e recebeu o troféu VivaVôlei. Em outro jogo das quartas, o Rexona/Ades venceu o Minas Tênis Clube, fora de casa por 3 sets a 0, com parciais de 25/12, 25/13 e 25/17.

Técnico Chicão gostou da apresentação do São Caetano, mas alertou que nada ainda foi conquistado. “Subimos apenas um degrau. Para conseguirmos passar às semifinais, precisamos vencer a segunda partida. Não podemos achar que já está tudo ganho. As adversárias vão vir para cima no próximo jogo e temos que estar tranquilos e concentrados”, afirma Chicão.

São Caetano/Blausiegel e Mackenzie/Cia. do Terno voltarão a se enfrentar na próxima quarta-feira, às 21h, no ginásio Lauro Gomes, em São Caetano do Sul. Se ganhar, o time do ABC garante um lugar na semifinal. Em caso de vitória do clube mineiro, a vaga será decidida numa terceira partida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.