Arquivo/AE
Arquivo/AE

São Caetano/Blausiegel tenta a contratação de Zé Roberto

Presidente do time do ABC sonha até com uma final entre os técnicos das seleções feminina e masculina

Daniel Brito, Jornal da Tarde

24 de abril de 2009 | 08h53

Marcelo Hanh, presidente da Blausiegel, gigante da indústria de medicamentos, deu a deixa: "Já pensou uma final de Superliga com Bernardinho contra Zé Roberto? Seria bonito." Nas entrelinhas, não é difícil ler a intenção de sua empresa (patrocinadora do São Caetano) de ocupar o imenso vazio deixado pela extinção do Finasa/Osasco (SP).

O empresário tomou as rédeas na negociação para montar o time de vôlei feminino mais forte do Brasil. Já conversou com as melhores atacantes do atual vice-campeão nacional, Natália e Paula Pequeno. O problema é que, para montar o supertime, será preciso uma mudança no ranking de atletas da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). E Hanh também telefonou para alguns dos principais técnicos do País.

O primeiro da lista, como já era de se esperar, é José Roberto Guimarães, atual comandante da seleção brasileira e do Pesaro, favorito a conquistar o título italiano da temporada.

Hanh quer mais visibilidade na mídia. "Tivemos muito tempo de exposição na mídia, mas foi por causa das estrelas da Seleção (Mari, Sheilla e Fofão). Mas, de um modo geral, nossa visibilidade na TV deixou a desejar."

A queixa do empresário tem dois motivos. O primeiro é o técnico. "Poderíamos ficar em colocação melhor", lamentou, referindo-se ao terceiro lugar no torneio. O segundo é a televisão. "Nós só aparecemos na TV aberta por alguns minutos no segundo jogo da semifinal. Nossa disputa pelo terceiro lugar não teve sequer transmissão do SporTV."

Uma maneira de ficar mais visível na vitrine é contratar o atual treinador da seleção. "Conversei com outros técnicos, não tem nada certo, mas Zé Roberto está no auge da carreira", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.