São Caetano/Blausiegel tenta ser o 'intruso' da Superliga

Equipe do ABC paulista conta com as campeãs olímpicas Fofão Mari e Sheilla para desbancar favoritas

Redação,

22 de outubro de 2008 | 15h42

A Superliga feminina de vôlei tem sido dominada nos últimos anos por apenas duas equipes: o Rexona/Ades e o Finasa/Osasco, que protagonizaram as últimas quatro decisões do torneio. No entanto, o São Caetano/Blausiegel quer que a história seja diferente na temporada 2008/2009.A equipe do ABC paulista conta com três jogadoras que integraram a seleção brasileira medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim: a levantadora Fofão, a ponta Mari e a oposta Sheilla. As três estavam jogando no vôlei da Itália.O São Caetano/Blausiegel estréia na Superliga no dia 29, às 18h30, contra o Brasil Telecom (com Sportv), na partida de abertura da competição.Para o técnico Antonio Rizola, o time ainda precisa aprimorar alguns fundamentos. "Estamos usando essa semana para treinar fundamentos. Precisamos melhorar nossa recepção, bloqueio e, principalmente, a relação de jogo", declarou.Nos treinos da semana, o time foi dividido em dois grupos para que, segundo Rizola, o trabalho seja ainda mais detalhado. "Está sendo melhor treinar durante uma hora com seis jogadoras do que duas horas, com as 12 ao mesmo tempo. Assim, conseguimos individualizar o trabalho e dar mais atenção a cada detalhe do treino e de cada atleta", explicou o treinador.Por enquanto, o trabalho é generalizado. Somente na próxima semana, o foco será direcionado ao Brasil Telecom. "Agora, a preocupação é a nossa qualidade de jogo. Precisamos melhorar a regularidade do conjunto e da estrutura de jogo e, isso tudo, só conseguimos com os treinos. Por isso, essa semana está sendo muito importante para a nossa equipe", concluiu Antonio Rizola.A única ausência nos treinamentos do São Caetano/Blausiegel continua sendo da ponta Thaís, que está em tratamento após uma lesão no tornozelo esquerdo. A previsão é que em duas semanas a jogadora esteja liberada para retomar o ritmo de trabalho com a equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.