Wander Roberto/CBV
Wander Roberto/CBV

Seleção brasileira feminina de vôlei admite atuação ruim contra a Itália e promete reação no domingo

Equipe do técnico José Roberto Guimarães foi superada pelas italianas pelo placar de 3 sets a 1

Redação, Estadão Conteúdo

18 de junho de 2022 | 21h10

A seleção brasileira de vôlei encerra sua participação na segunda fase da Liga das Nações neste domingo, às 10 horas, prometendo reação diante da Sérvia após derrota para a Itália, neste sábado. O técnico José Roberto Guimarães e as jogadoras admitiram a fraca apresentação no terceiro jogo no ginásio Nilson Nelson, em Brasília.

Depois de prometerem uma grande atuação contra as italianas, as brasileiras cometeram muitos erros, quase não conseguiram parar o ataque das oponentes e acabaram superadas por 3 a 1 sem impor o jogo forte apresentado diante de Turquia e Holanda, em belas e seguras vitórias.

"Nós demos 25 pontos de erros para a Itália, e nosso sistema defensivo não funcionou", admitiu o técnico Zé Roberto. "Sabíamos da dificuldade de segurar a Egonu, que é uma das melhores atacantes do mundo. Também não tivemos uma boa atuação no bloqueio", seguiu. "Até o terceiro set não tiramos a Itália da zona de confronto. Temos que entender esses momentos, e o sistema defensivo precisa ser mais eficiente."

Autora de somente oito pontos no terceiro jogo da segunda fase da Liga das Nações, a oposta Gabi promete uma postura diferente do time contra a não menos forte Sérvia. A crença é de uma melhora significativa na defesa e, sobretudo, no ataque.

"Sabíamos que seria uma partida muito difícil. A Itália tem uma equipe forte, com atacantes de qualidade, como a Egonu, desafogando na saída de rede. Não conseguimos ser agressivas no saque, cometemos muitos erros e não aproveitamos os contra-ataques", disse Gabi. "Deixamos a Itália gostar do jogo e jogamos abaixo do que em outros jogos. Vamos estudar os erros e já temos que pensar na partida contra a Sérvia. É mais uma partida difícil e temos que ser mais agressivas e inteligentes no ataque."

A meio de rede Carol concorda com a companheira. "Infelizmente não conseguimos imprimir o nosso ritmo de saque e defesa. Temos que usar esse jogo como experiência e acreditar no nosso potencial, como fizemos no terceiro set. Vamos ter mais um jogo difícil amanhã contra a Sérvia, e queremos sair dessa etapa com uma vitória."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.