Seleção brasileira de vôlei reclama de nova bola

O ponteiro Giba, capitão da seleção brasileira masculina de vôlei, comentou nesta terça-feira sobre a insatisfação da equipe com a utilização de uma nova bola na Olimpíada de Pequim. "Ela é diferente tanto para o saque, como para a recepção. Para acostumar vai ser muito difícil", avisou o jogador.Giba também disse que treinou apenas duas vezes com a nova bola, discordando da maneira como ela foi incluída nos Jogos Olímpicos. "Todas as mudanças do vôlei começam nas competições menores até chegar à Olimpíada. Foi assim com o surgimento do líbero, por exemplo, e da recepção com o pé. No caso da bola nova, não está sendo assim", reclamou.Durante o lançamento da nova bola - fabricada pela Mikasa - em novembro de 2007, o presidente da Federação Internacional de Vôlei (FIVB), Rubén Acosta, declarou que ela seria testada em algum torneio antes da Olimpíada, o que não acabou não acontecendo. O material externo é outro, o que a deixou mais leve, para possibilitar que ela quique mais alto e não proporcione um impacto tão forte nos atletas.O técnico Bernardinho concordou com as críticas de Giba. "As mudanças deveriam acontecer ao final de um ciclo olímpico e início de outro. Para nós, que sempre trabalhamos nos limites de todos os mecanismos, qualquer mudança, por menor que seja é ruim", disse o comandante da seleção brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.