Seleção de vôlei é recebida por FHC

O presidente Fernando Henrique Cardoso comemorou a vitória da seleção brasileira de vôlei condecorando os jogadores com a medalha da Ordem do Mérito Esportivo, em cerimônia no Palácio do Planalto. Em seu discurso, Fernando Henrique disse que a medalha foi obtida com "garra" e "determinação" da equipe, como reconhecimento por um trabalho desenvolvido ao longo dos anos. "Ninguém vence se não houver coesão, se não houver um técnico competente, se não houver respaldo institucional, seja da Confederação (de volêi), do Banco do Brasil que apóia, do governo que motiva, através do ministro Caio (Carvalho, ministro do Esporte e Turismo)", declarou o presidente, acrescentando que "ninguém vence na hora decisiva se não houver uma chama iluminando cada um de vocês". Depois de ouvir as palavras do capitão da equipe, Nalbert Tavares Bitencourt, que lembrou que há dois meses, quando os jogadores estiveram no Planalto, por ocasião da conquista da medalha de prata na Liga Mundial de Vôlei, prometeu que voltariam com a medalha de ouro do campeonato mundial, o presidente confessou que "não agüentou" assistir ao final do último set, por causa da emoção, que era muito grande. "Só quero ver o resultado", disse ele, ao acrescentar que "era tanta emoção de ver a vontade que vocês estavam lá para vencer, que eu não agüentei.Mas depois, foi aquela explosão de alegria que invadiu todo o Brasil e com muita razão". No discurso, o presidente lembrou ainda que o resultado obtido pela equipe, é fruto de um trabalho de muitos anos de todos os setores, em vários esportes, que refletiu no número de medalhas que o País alcançou nos últimos anos, que foi multiplicado por cinco. "Para se ter uma idéia, até 1995, se nós considerássemos do primeiro ao quinto lugar nos campeonatos mundiais, olimpíadas e tudo, o Brasil tinha 50 medalhas. Sabe quantas nos temos agora, de 95 para cá? 250 medalhas", observou o presidente. "Ou seja, multiplicou por cinco o prêmio que os brasileiros receberam pelo esforço que fazem em suas competições", declarou o presidente salientando que "isso não acontece de repente, acontece pouco a pouco, com trabalho, com convicção, com a força de um País que reconhece e torce pelos seus campeões". Em seguida, o presidente listou as várias modalidades de esporte que o Brasil conquistou medalhas, nos últimos tempos, ressaltando que o País alcançou índices só obtidos pelo primeiro mundo. Na opinião do presidente, isso só aconteceu porque o país se organizou, levando os atletas a brilharem lá fora. "Mas isso é porque cada um de vocês também se compenetrou disso", destacou o presidente, ao lembrar que hoje nós temos o Guga, o Popó, Daniele Hypóllito". Segundo o presidente "temos uma porção de gente brilhando", e listou ainda Rubinho Barrichelo e os jogadores de futebol, Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo e outros tantos. "O importante agora é que não é só em um esporte - o futebol - que somos campeões", comemorou o presidente. A prova de que o País começa a ser uma potência esportiva, é que o Brasil conseguiu trazer para o Rio de Janeiro os jogos Panamericanos de 2007. Ele concluiu o discurso dizendo que ao entregar a medalha, não estava apenas cumprindo uma formalidade, mas expressando sentimento de todos os brasileiros. Ao final da cerimônia, o presidente pousou para uma foto, ao lado dos jogadores, erguendo a taça conquistada. A presença dos jogadores no Planalto, a exemplo do que já havia acontecido em agosto, provocou uma grande mobilização entre os servidores, que levaram seus familiares para verem de perto os campeões, tirarem fotos e conseguirem autógrafos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.