Seleção feminina fatura Grand Prix e mantém hegemonia

A seleção brasileira feminina de vôlei faturou neste domingo o título do Grand Prix, em Tóquio, justamente no dia em que completa um ano da conquista da medalha de ouro nos Jogos de Pequim. As campeãs olímpicas garantiram o oitavo título brasileiro da competição.

AE, Agencia Estado

23 de agosto de 2009 | 09h49

A taça foi conquistada com a vitória sobre as japonesas por 3 sets a 1, com parciais de 25/21, 25/27, 25/19 e 25/19. Dessa forma, a equipe encerrou uma campanha brilhante na competição. Foi a única seleção a vencer todos os 14 jogos disputados, um aproveitamento de 100%. Na fase final, superou também China, Rússia, Holanda e Alemanha.

Com a vitória, a seleção confirmou o favoritismo, já que estava com a mão na taça após vencer a Holanda no sábado. Apenas as russas poderiam tirar o título das brasileiras. O Brasil só deixaria a taça escapar se perdesse de forma arrasadora neste domingo, poucas horas depois que a Rússia fez o dever de casa e bateu as holandesas mais cedo, garantindo a medalha de prata. O bronze ficou com a Alemanha.

Dependendo apenas de uma vitória para ficar com o título, as brasileiras tiveram dificuldade diante das japonesas, apoiadas por sua torcida. Em um jogo equilibrado, as anfitriãs mostraram raça e não deixaram as brasileiras abrir vantagem no apertado primeiro set, fechado em 25/21.

Na sequência, as japonesas mostraram superação e igualaram o placar ao vencer a segunda parcial por 27/25. Nos dois sets seguintes, o Japão começou melhor e até liderou o placar na primeira parada técnica, mas acabou cedendo a virada ao Brasil.

EQUIPE - O Brasil jogou o Grand Prix com boa parte da base do time que faturou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim no ano passado. As ausências mais sentidas foram a da ponta Paula Pequeno, eleita a melhor jogadora da Olimpíada, que se recupera de lesão, e a da levantadora Fofão, que se aposentou da seleção em 2008.

Fabiana, Thaísa, Sheilla, Mari, Sassá e a líbero Fabi foram mantidas entre as titulares durante a maior parte do campeonato. Entre as novatas, duas atletas se destacaram: a levantadora Dani Lins, que ganhou entrosamento com as atacantes durante a competição, e a ponta Natália, de apenas 20 anos, dona do ataque mais potente da seleção.

Nesta edição, o Brasil teve a oportunidade de fazer partidas do Grand Prix no País, algo que não acontecia há 14 anos. Na primeira fase, foram três vitórias no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, sobre Porto Rico, Alemanha e Estados Unidos, todas por 3 sets a 0.

Com mais este título, o Brasil consolidou o domínio no vôlei feminino. Somente em 2009 já são quatro conquistas. Antes, a seleção havia levantado as taças do Torneio de Montreux, na Suíça, da Copa Pan-Americana e do Pré-Mundial, em Minas Gerais.

Neste ano, as comandadas de Zé Roberto perderam apenas uma partida, na Copa Pan-Americana, quando foram superadas pela República Dominicana. No total, são 29 resultados positivos em 2009. No ano que vem, no Japão, a equipe tentará uma conquista que ainda faz falta para as meninas do voleibol brasileiro: a de campeão do mundo.N

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.