Divulgação/CBV
Divulgação/CBV

Seleção feminina prevê duelos difíceis na sequência da Liga das Nações

Equipe brasileira terá pela frente os Estados Unidos e a Rússia

Estadao Conteudo

03 Junho 2018 | 14h30

A quarta semana da Liga das Nações prevê para a seleção brasileira feminina de vôlei uma série de compromissos complicados. Em Jiangmen, na China, a equipe terá pela frente o time anfitrião na terça-feira, os Estados Unidos, que lideram o torneio, na quarta, e a Rússia, hoje na sexta posição e na briga por uma vaga na fase final, na quinta. Diante desses desafios, Amanda apontou a necessidade de a equipe se manter focada para evitar surpresas.

+'Precisamos melhorar várias coisas', diz Renan após vitória da seleção de vôlei

+ Brasil leva susto, mas supera Japão e apagão para vencer na Liga das Nações

"Nesta semana vamos enfrentar equipes tradicionais da competição que estão brigando pelos primeiros lugares. Temos que manter o foco e seguir trabalhando bastante. As equipes estão buscando a classificação para fase final, por isso cada jogo será extremamente importante. Será uma semana difícil, mas estamos confiantes", disse Amanda.

Em três semanas, a seleção feminina somou oito vitórias em nove jogos e está com 25 pontos na classificação, em segundo lugar e em vantagem nos critérios de desempate em comparação com a Sérvia. Já os Estados Unidos estão com campanha idêntica, mas lideram com 26 pontos.

As cinco seleções de melhor campanha nas cinco semanas da Liga das Nações se classificam à fase final, que também contará com a participação da anfitriã China de 27 de junho a 1º de julho, em Nanquim.

Nessa primeira passagem pela China na Liga das Nações, a seleção feminina teve que enfrentar 26 horas de viagem após atuar em Apeldoorn, na Holanda. Além disso, agora precisa se adaptar a um novo fuso horário.

"Esse é um dos obstáculos, mas já passamos por situações parecidas e vamos nos adaptar o mais rápido possível. As outras seleções também vão passar por isso", explicou Amanda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.