CBV/Divulgação
CBV/Divulgação

Sesi evita eliminação e força terceira partida da semifinal na Superliga

Uma derrota eliminaria um dos times de maior investimento da competição perante um adversário recém-promovido da Superliga B

Alessandro Luchetti, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2013 | 23h17

SÃO PAULO - Assim que o Sesi marcou o ponto que lhe deu a vitória no tie-break do jogo desta quinta-feira, contra o Canoas, na casa do adversário, dois grupos se abraçaram efusivamente: jogadores na quadra, comissão técnica fora dela. A demonstração de alívio mostrou como estava pressionada a equipe paulista. Uma derrota eliminaria um dos times de maior investimento da competição perante um adversário recém-promovido da Superliga B e recheado por veteranos.

Ao fim de três horas, o Sesi festejou a chance de decidir a vaga na semifinal em casa. O ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo, vai receber o terceiro e último duelo da série, amanhã, a partir das 21h30. As parciais foram 23/25, 25/19, 23/25, 25/18 e 13/15.

Na opinião de Murilo, o Sesi reencontrou seu melhor jogo no quinto set, e isso foi determinante para o resultado. “Fizemos um bom jogo, oscilamos um pouco no segundo e no quarto sets, mas entramos muito forte no tie-break, com bastante volume e o jogo encaixou. Isso foi fundamental. Conseguimos abrir uma vantagem e manter a diferença, suportamos a pressão deles no final e conquistamos uma grande vitória. Temos outra decisão no sábado, na nossa casa, e já estamos pensando nesse confronto”, disse.

O técnico do time paulista, Giovane Gávio, evita o otimismo exagerado e prevê outra batalha amanhã. “Viemos para o tudo ou nada. E conseguimos o nosso objetivo. Agora, levamos essa série para a Vila Leopoldina, para decidir em casa. É um confronto equilibrado. Foram dois jogos de cinco sets, placares muito parecidos, são equipes que se equivalem e estão jogando um ótimo vôlei. Temos mais uma final pela frente e não podemos errar. Precisamos entrar muito concentrados e ter um bom saque”.

O maior pontuador da partida novamente foi o oposto Lorena, do Sesi, com 19 pontos. No entanto, o central Eder, da mesma equipe, é que levou o Troféu Viva Vôlei, conferido ao melhor jogador em quadra. Eder fez 15 pontos, sendo dois de bloqueio e outros dois de saque.

O vencedor dessa série vai enfrentar o ganhador do confronto entre Sada/Cruzeiro e Volta Redonda, que se enfrentam amanhã, em Contagem (MG). Em Belo Horizonte, o Minas Tênis avançou à semifinal com vitória por 3 a 1 sobre o Medley/Campinas, com grande atuação do levantador Marcelinho, que conseguiu ludibriar o forte bloqueio campineiro, que conta com Gustavão, central de 2,15m. As parciais foram 30/28, 25/22, 20/25 e 25/19.

Marcelinho, 38 anos, ex-levantador da seleção brasileira, foi eleito o melhor em quadra.“Esta equipe trabalha muito duro e estes jogadores são todos maravilhosos. Estou muito feliz de poder participar de mais uma semifinal da Superliga”, declarou o veterano. O tcheco Filip Rejlek foi o maior pontuador da equipe mineira, com 18 pontos, seguido por Lucarelli, grande revelação da equipe de Belo Horizonte, com 15. No time de Campinas, os maiores destaques foram Despaigne e Gustavão, ambos com 17 pontos. Purificação fez cinco pontos em bloqueios.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiSuperliga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.