Sheilla elogia turcas antes de confronto no Grand Prix

Brasileira adota discurso respeitoso, mas confia em manutenção do bom nível; Duelo acontece na madrugada desta quarta-feira

Estadão Conteúdo

18 de agosto de 2014 | 13h01

Invicta no Grand Prix, a seleção brasileira feminina de vôlei desembarcou em Tóquio nesta segunda-feira, depois de obter três vitórias seguidas em Bangcoc, na Tailândia. A capital japonesa será palco da fase final da competição, na qual o time nacional voltará a atuar nesta quarta, às 3 horas (de Brasília), contra a Turquia. E, em solo japonês, a oposto Sheilla já fez elogios às adversárias, apesar de o país rival estar longe de figurar entre os mais tradicionais desta modalidade.

"Jogamos pela última vez com a Turquia nos Jogos Olímpicos de Londres e vencemos por 3 sets a 2. Portanto, tem um tempo que não as enfrentamos. Vamos estudar o time delas e sabemos que é uma equipe de qualidade, com jogadoras talentosas como a Naz (levantadora) e a Gozde (ponteira)", afirmou Sheilla, depois de já ter feito o primeiro treinamento em Tóquio para o duelo desta quarta.

A jogadora também exibiu confiança de que o Brasil irá manter, neste estágio derradeiro da competição, o ótimo nível apresentado até aqui. Depois de encarar as turcas, o time comandado por José Roberto Guimarães terá pela frente a China, na quinta-feira, a Bélgica, na sexta, a Rússia, no sábado, e finalmente o Japão, no domingo.

"Jogamos bem a etapa classificatória e chegamos motivadas para a fase final. Sabemos que agora começa um novo campeonato e vamos em busca do décimo título (do Brasil na história do Grand Prix)", completou.

A central Fabiana, por sua vez, também exibiu confiança na conquista de mais um título de expressão das atuais bicampeãs olímpicas. "Chegamos hoje e, depois de uma viagem de sete horas, temos que nos adaptar o mais rápido possível. O treino foi bom para acordarmos e fizemos muito alongamento. A fase final é um novo campeonato. Serão cinco jogos na sequência, mas estamos bem preparadas e motivadas para buscar o título", afirmou, em declarações reproduzidas pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.