Substituir Bernardinho é dura missão

Missão quase impossível: substituir o técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho. Marco Aurélio Motta está passando por esta experiência no comando da seleção brasileira feminina e sente dificuldade de aceitação pelas atletas. Mas não é o único nessa situação. Hélio Griner é o novo treinador do Rexona, ex-clube de Bernardinho, e tem como desafio manter o time entre os grandes da Superliga. "É muito complicado substituí-lo e eu não tenho essa pretensão. Meu objetivo é dar seqüência às vitórias da equipe."O técnico do Rexona, ao menos, tem uma vantagem em relação à Motta: trabalhou como auxiliar de Bernardinho desde 1997, no Rexona, e na seleção feminina entre 1995 e 1999. "Temos a mesma filosofia e o Bernardo continua me ajudando. Liga quando pode e prometeu acompanhar a Superliga feminina também", conta Griner, bicampeão do Grand Prix (1996 e 1998), ouro no Pan-Americano (1999), bronze na Olimpíada de Atlanta (1996), com a seleção, e campeão brasileiro em 1997/1998 e 1999/2000, no Rexona.Griner acredita que Bernardinho é o treinador com maior capacidade e conhecimento do Brasil. "Existem bons profissionais e unanimidades. Ele está próximo de ser unânime." Solteiro, define-se como um técnico exigente e mais "duro" do que o amigo. "Por não ser casado, tenho mais tempo para o vôlei. Mas, costumo dormir; o Bernardinho não dorme, fica estudando."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.