Divulgação / FIVB
Divulgação / FIVB

Tandara destaca reação no quinto set e bom funcionamento do bloqueio do Brasil

Oposta foi destaque na vitória da seleção brasileira sobre a China pela Liga das Nações

Estadão Conteúdo

05 Junho 2018 | 14h26

Destaque na vitória sobre a China, a oposta Tandara destacou o bom funcionamento do bloqueio, especialmente no quinto e decisivo set. Segundo ela, foi graças a esse fundamento que a seleção brasileira feminina de vôlei venceu as atuais campeãs olímpicas por 3 sets a 2 (19/25, 25/23, 27/25, 10/25 e 16/14) nesta terça-feira, em Jiangmen, na China, na quarta semana da Liga das Nações.

+ Seleção feminina derruba China, atual campeã olímpica, na Liga das Nações

"Foi um jogo emocionante. Cada dia que passa nosso time está ganhando mais forma e a confiança uma na outra só aumenta. Estamos dando o máximo em todos os momentos. No quarto set erramos muito, mas conseguimos voltar para o jogo no quinto quando bloqueamos melhor", analisou.

Tandara terminou a partida como principal pontuadora do Brasil, ao colocar 19 bolas na quadra da adversária. Satisfeita com o desempenho da equipe, agora ela pediu concentração para o próximo jogo, que vale a liderança da competição.

"Já temos que pensar no jogo de amanhã (quarta-feira) contra os Estados Unidos. Elas jogam mais rápido do que a China e são boas tecnicamente. Temos que aproveitar mais essa oportunidade para crescermos como equipe", projetou.

O técnico José Roberto Guimarães elogiou o desempenho da equipe, mas alertou sobre alguns vacilos contra a China que precisam ser corrigidos. "Estou feliz pelo resultado, mas cometemos muitos erros. Ainda precisamos corrigir algumas situações de jogo. O mais importante foi a atitude que tivemos na partida com exceção do quarto set", afirmou José Roberto Guimarães.

A vitória sobre as chinesas foi a nona em dez partida da seleção brasileira na Liga das Nações - a única derrota aconteceu na estreia diante da Alemanha. Na classificação geral, a equipe do técnico Zé Roberto soma 26 pontos, mais perto do líder Estados Unidos, que tem 28.

A liderança pode mudar de mãos nesta quarta, às 5h (horário de Brasília), quando o Brasil enfrentará as norte-americanas, que venceram nesta terça a Rússia por 3 sets a 0 e também possuem um retrospecto de nove triunfos e uma derrota na competição.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.