João Pires/Fotojump
João Pires/Fotojump

Técnico do Osasco vai atrás de patrocínio após saída da Nestlé

Luizomar de Moura quer manter uma das principais equipes do País em atividade: 'Estou tentando não fazer disso uma tragédia'

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 19h22

A notícia da saída da Nestlé do time de vôlei de Osasco caiu como uma bomba, mas os responsáveis pelo projeto já estão absorvendo a situação e indo atrás de um novo patrocinador principal para manter em atividade a tradicional equipe, uma das mais vitoriosas da modalidade no País.

+ Time de Osasco perde patrocínio da Nestlé após nove anos

Nesta quarta-feira, as jogadoras e comissão técnico da equipe se reuniram para um balanço da temporada e o técnico Luizomar de Moura, que também coordena o projeto, saiu otimista do encontro. "Eu senti as jogadoras propensas a esperar os próximos dias para definir o futuro. A diretoria do clube está trabalhando bastante, estamos abrindo canais de comunicação, já enviamos o projeto desenhado, prefeitura está mobilizada e eu estou aqui pela oportunidade de defender a continuidade", comentou.

 

Apesar de a Superliga feminina de vôlei ainda não ter terminado, neste momento jogadoras e clubes estão negociando transferências, buscando oportunidades e analisando opções. "O planejamento já está ocorrendo. O mercado nosso abre agora, tive esse encontro com as meninas para o fechamento da temporada, e considero que ela foi bastante satisfatória", explicou Luizomar.

Ele lembra que a parceria da Nestlé com a equipe de Osasco, que durou nove anos, serviu para mostrar que é possível ter um patrocinador que faça ativações de produtos específicos com o público, que use uma camisa diferente em datas comemorativas e faça ações com os torcedores. Tudo isso ajuda a alavancar o nome da empresa.

Claro que a saída da Nestlé atrapalha os planos para a próxima temporada, mas Luizomar pretende olhar para frente. "Estou tentando não fazer disso uma tragédia. Quando se perde um grande patrocinador, sempre há um temor do que vai contecer. Pela vanguarda do que a Nestlé é, deixou sua marca e mostrou uma forma que é copiada por outras equipes. Isso nos dá esperança de que outras marcas vejam isso e aproveitem essa lacuna."

A cidade de Osasco tem enorme tradição no vôlei e não ter uma equipe na próxima Superliga seria algo inimaginável no momento. Por isso, Luizomar está apresentando diversos planos para possíveis investidores com modelos diferentes. Claro que o que mais agrada é o que negocia os "naming rights" da equipe. Na própria Superliga existem diversos modelos diferentes de patrocínio.

"Claro que é um momento triste para a gente, mas o que falar de um grande patrocinador como a Nestlé. Tenho só elogios. Tive o privilégio de vivenciar essa história dela em Sorocaba e Jundiaí, e agora aqui em Osasco. Espero que no futuro a Nestlé volte novamente para sua terceira empreitada", disse.

O treinador aproveitou para elogiar suas atletas e sua comissão técnica, que nesta temporada venceram o Campeonato Paulista, a Copa Brasil e chegaram à semifinal da Superliga. Nos próximos dias Luizomar terá uma conversa com os executivos da Vedacit, que foi co-patrocinadora do time. "A Vedacit de um apoio no Mundial do ano passado e fez uma experiência com aporte pequeno esse ano, mas que nos ajudou na contratação de jogadoras estrangeiras", admitiu.

Mais conteúdo sobre:
Nestlé vôlei Luizomar de Moura

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.