Divulgação/FIVB
Divulgação/FIVB

Técnico Luizomar de Moura elogia Osasco e comemora vaga em decisão

Mesmo assim, ele diz que é preciso diminuir os erros para ganhar final contra o Fenerbahce

Agência Estado

20 de dezembro de 2010 | 16h45

Depois de criticar as atuações anteriores do Sollys/Osasco no Mundial de Clubes, o técnico Luizomar de Moura aprovou o grande desempenho da equipe brasileira na semifinal desta segunda-feira, diante das italianas do Bergamo, bicampeão da Liga dos Campeões da Europa. Na decisão, as brasileiras terão pela frente o Fenerbahçe, da Turquia.

Veja também:

linkOsasco bate Bergamo e vai à final

"Tivemos dois dias para nos prepararmos, trabalhamos em cima da equipe do Bergamo e estudamos bastante as principais características, a distribuição de jogo e as incidências de ataque, por isso, acredito que a preparação foi extremamente importante. Nesse período conseguimos sair de uma situação difícil porque atuamos mal contra o Fenerbahce e sem a lucidez que sei que podemos jogar", avaliou o treinador.

Apesar da vitória e da vaga na decisão, Luizomar ficou insatisfeito com os erros cometidas pela sua equipe. "Mesmo vencendo por 3 a 0, a equipe ainda acumulou um número de erros que, tanto a comissão técnica quando as jogadoras, não ficaram satisfeitos. Precisamos diminuir o número de erros para que a nossa equipe consiga jogar de igual para igual contra o Fenerbahce", afirmou.

Para levar a melhor sobre a equipe de José Roberto Guimarães e Fofão, Luizomar pregou "paciência e disciplina tática". "Hoje [segunda] já vamos mostrar um vídeo e exibiremos mais um amanhã [terça] apresentando as virtudes do rival, que tem uma levantadora e um treinador que conhecem muito bem as nossas jogadoras, mas a nossa equipe tem muito potencial, é muito forte e está muito focada, pois queríamos muito estar nessa final. Amanhã [terça] é um jogo de disciplina tática e paciência. Um jogo de xadrez", analisou.

Destaque do Osasco nesta segunda, a central Adenízia prevê uma disputa empolgante e complicada na final desta terça-feira, às 12 horas (de Brasília). "Agora é uma final e não tem frescurinha porque a gente não vai ter outra oportunidade. Temos que respeitar o Fenerbahçe porque é uma grande equipe, mas nós também somos. Será um jogo bonito, difícil e vai ganhar quem tiver mais consciente e errar menos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.