Washington Alves/VIPCOMM/Divulgação
Washington Alves/VIPCOMM/Divulgação

Unilever arrasa Osasco e conquista sétimo título na Superliga de vôlei

Equipe do Rio de Janeiro derrotou a de São Paulo por 3 sets a 0, em partida disputada ponto a ponto

AE, Agência Estado

30 de abril de 2011 | 12h20

BELO HORIZONTE - A Unilever arrasou o Sollys/Osasco por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 30/28 e 25/19, neste sábado, em Belo Horizonte, na decisão da Superliga feminina de vôlei. Com a vitória, a equipe carioca faturou seu sétimo título da competição, o quinto diante do time paulista.

O resultado marca o retorno da hegemonia da Unilever na Superliga. A equipe comandada pelo técnico Bernardinho acumulou sua sétima final consecutiva. O domínio só havia sido interrompido na temporada passada, justamente pelo Osasco, campeão em 2010.

Como era esperado, o confronto entre as duas melhores equipes do Brasil foi marcado pelo equilíbrio, desde o início da partida. Logo no primeiro ponto, os dois times travaram um rali de quase 40 segundos de duração. A disputa seguiu ponto a ponto até que o Osasco conseguiu abrir dois de vantagem, fazendo 14/12. Contudo, a Unilever buscou o empate e obteve a virada no final: 25/23.

O equilíbrio se manteve no segundo set. Após sair em desvantagem, o Osasco voltou a liderar o placar, ao mostrar um grande aproveitamento no bloqueio. Abriu 13/11 no placar, mas cedeu novamente o empate à rival. Decidida nos detalhes, a parcial contou com set points para as duas equipes. A Unilever, contudo, foi mais eficiente e venceu por 30/28.

Abaladas pelo revés no segundo set, as jogadores do Osasco caírem de rendimento e viram a Unilever abrir 11/06, sem maiores dificuldades. Embalada, a equipe carioca apenas administrou a vantagem para confirmar a vitória e o sétimo título.

"O time mostrou maior regularidade durante toda a temporada. É justo que acontecesse o mesmo na final. Nos destacamos pela consistência", avaliou Bernardinho, que admitiu ter ficado preocupado com o forte saque do Osasco. "Tínhamos a necessidade de fazer a bola rodar, de não cometer erros, de não permitir que abrissem séries com as grandes sacadoras que elas têm. O time soube trabalhar a bola", aprovou o treinador, em entrevista à Sportv.

A líbero Fabi, um dos destaques da Unilever, ressaltou o equilíbrio do duelo. "Acho que os confrontos com o Osasco são sempre muito nervosos, com erros bobos. Conseguimos ser pacientes para matar o bloqueio com a nossa defesa. Tivemos dois sets com muito equilíbrio. Quem veio assistir, viu um grande espetáculo, apesar da nossa vantagem no terceiro set. Foi um jogo com muitas jogadores da seleção brasileira", comentou.

Atualizado às 16h43 para correção de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.