Marcio Rodrigues/Divulgação
Marcio Rodrigues/Divulgação

Unilever enfrenta equipe turca por primeiro lugar do grupo do Mundial

Após estreia tranquila contra americanas, equipe brasileira terá pela frente o VakifBank Istanbul, atual campeão europeu

O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2013 | 07h50

ZURIQUE - O Unilever teve uma estreia tranquila no Mundial de Clubes, na Suíça, ao derrotar o americano Iowa Ice na segunda-feira por 3 sets a 0 (25/14, 25/16 e 25/22, em 1h05). Mas, nesta sexta-feira, em sua segunda partida na competição, a equipe do técnico Bernardinho enfrentará o favorito VakifBank Istanbul, em briga direta pelo primeiro lugar do Grupo B. O jogo será às 15h30, pelo horário de Brasília, e quem vencer deve ir para as semifinais para enfrentar um adversário menos perigoso.

 

Bernardinho sabe que, contra as turcas, seu time terá mais trabalho do que contra as americanas, já que o Iowa Ice é uma equipe formada em grande parte por jogadoras universitárias. Por isso, exigiu de suas atletas um melhor posicionamento no bloqueio e menos desperdício de saques. Afinal, o VakifBank é o atual campeão turco e da Liga dos Campeões da Europa.

 

"A equipe da Turquia tem muita qualidade. Parece que eles juntaram um pouco do melhor de cada seleção do mundo. Eles montaram esse time para vencer as principais competições, como o Mundial", disse a líbero Fabi, sobre estrelas como a turca Sonsirma e a sérvia Brakocevic. "Gostamos desses jogos contra grandes equipes. Sabemos que precisamos mostrar muito volume de jogo, até pela força ofensiva delas. O Bernardo tem uma filosofia de jogo bem clara. Sacar, bloquear e defender bem. Isso gera contra-ataques para nossa equipe e irrita o adversário. Conseguimos tirar proveito disso".

 

A levantadora Fofão já atuou na Turquia - foi campeã mundial pelo Fenerbahce, em 2010, contra o Osasco - e sabe a dificuldade que o Unilever terá diante do adversário desta sexta-feira. "É o jogo mais importante para a gente na primeira fase, pois define o primeiro do grupo. Conheço bem as meninas, temos muita informação de vídeo e podemos nos planejar em cima do jogo delas. Temos que jogar de igual para a igual, impor nosso ritmo. Se conseguirmos fazer isso, sairemos com uma vitória", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
vôleiMundial de ClubesUnilever

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.