Velocidade, arma contra Japão e China

Dos cinco jogos que restam para o final da fase de classificação do Grand Prix, a seleção brasileira feminina de vôlei terá quatro contra adversários asiáticos. Às 8h30 (de Brasília), o Brasil enfrenta amanhã o Japão e domingo, a China, em Harbin, na China. O segredo para vencer as asiáticas é a velocidade. Isso porque o adversário tem como principal arma a defesa e, por conseqüência, o volume de jogo. "Temos de explorar as jogadas pelo meio-de-rede, que são mais rápidas. Mas o mais importante é ter paciência para virar as bolas", analisa a ponteira Érika. Se for resolvido o problema com o sinal da televisão chinesa, que não está gerando imagens da competição, a SporTV mostrará as partidas ao vivo. No próximo fim de semana, as brasileiras jogarão novamente com o Japão, Coréia e Rússia. Hoje, o Brasil conquistou a segunda vitória na competição, ao vencer a Alemanha por 3 a 2 (25/20, 27/25, 17/25, 22/25 e 15/8), em 1h47. "A constância nas apresentações é algo que será conquistado com o passar dos jogos", avalia o técnico Marco Aurélio Motta, que ao menos gostou da volta de Fofão. Após quatro meses afastada das quadras e ainda recuperando-se de lesão nos tendões de aquiles das duas pernas, a levantadora Fofão fez sua estréia no GP. "Ainda estou fora de ritmo, mas para o meu primeiro jogo, fui bem. Passei no teste", disse a levantadora, que entrou a partir do terceiro set. "Já estava sentindo falta de jogar." Fofão pode entrar em quadra hoje contra o Japão, mas a titular será Fabiana Berto. Além de Fabiana, o Brasil terá Karin, Raquel, Érika, Janina e Walewska. Ricarda é a líbero. O Brasil ocupa a quinta colocação geral com duas vitórias - venceu Cuba na estréia - e duas derrotas para Japão e China. No mesmo grupo, hoje, a China superou o Japão por 3 a 1 (21/25, 25/17, 25/11 e 25/19). Em Fong San, em Taipei, a Rússia fez 3 a 0 na Córeia (25/22, 25/23 e 25/16) e Cuba, finalmente, venceu pela primeira vez. Marcou 3 a 2 (25/17, 22/25, 21/25, 25/23 e 15/11) contra os Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.