Velocidade chinesa preocupa Brasil

A velocidade das rivais é a principal preocupação da seleção brasileira feminina de vôlei que estréia na quinta-feira, contra a China, na fase decisiva do Grand Prix da Ásia. A duas equipes entram em quadra a partir das 9h30 (horário de Brasília), no Hong Kong Coliseum, em Hong Kong, com transmissão ao vivo da SporTV. Rússia e Alemanha abrem a rodada, às 7 horas."Com o passe na mão, a velocidade aumenta e fica difícil parar as atacantes chinesas", disse a líbero brasileira Fabi. "Já começamos a assistir aos vídeos dos jogos das chinesas para descobrir pontos fracos e montar nossa tática em cima deles. Podemos vencer. Basta equilibrar o jogo do início."A renovada seleção de Marco Aurélio Motta - as atletas mais experientes, com exceção de Karin, pediram dispensa da equipe em razão de desentendimentos com o treinador - chegou ao GP com a meta de estar entre os quatro finalistas. "Saímos do Brasil sabendo que tínhamos uma equipe com limitações e precisaríamos nos superar. Até agora, o saldo é muito positivo. Se ganharmos medalha, será um prêmio pelo esforço e dedicação de todos", disse o técnico. O Brasil foi campeão do GP em 1994, 96 e 98.Brasil e China já se enfrentaram no GP, com vitória das chinesas por 3 sets a 1 (25/23, 25/21, 19/25 e 25/18). "Tecnicamente, foi nossa melhor partida", comentou Marco Aurélio Motta. "Mas para vencer a China é preciso estar ligado o tempo todo, sem diminuir o ritmo em nenhum momento. Vamos ter de jogar 100% e esperar que elas joguem 70% do que sabem."Sempre no horário de Brasília, na sexta-feira as brasileiras enfrentam as alemãs às 7 horas. China e Rússia completam a rodada. No sábado, Brasil e Rússia jogam à 1h30, antes de China e Alemanha, às 4h30. No domingo, a disputa do bronze está marcada para a 1h30. Às 4h30 começa a decisão do título, entre as duas equipes mais bem classificadas na fase final.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.