Virna é a nova estrela das quadras

Desde que levantou a taça de campeã brasileira pelo Flamengo, seu ex-clube, deu autógrafo ao ídolo Zico e realizou o sonho de ser ovacionada pela torcida do Flamengo, o time do coração, a atacante Virna é a estrela da vez no vôlei nacional. Com a aposentadoria de Fernanda Venturini, a ida de Leila para o vôlei de praia, a saída do Vasco e a redução de investimento do Flamengo e do MRV/Minas para a próxima temporada, Virna tem até o momento o maior salário do vôlei feminino: trocou o equilavente a R$ 800 mil de um clube japonês por cerca de R$ 500 mil no BCN/Osasco. Assim como o técnico da equipe, José Roberto Guimarães, Virna "ganhou" uma entrevista coletiva, hoje, para ser apresentada como o principal reforço do BCN e madrinha do projeto das seleções de base. Detalhe: a equipe já renovou com Marcelle, Carol, Janina, Ricarda, Fofinha, Paula Renata e Jaqueline e contratou Patrícia Cocco e Valeska e nenhuma delas teve evento especial. Virna vai trabalhar pela primeira vez com Zé Roberto. Em 1991 foi convocada por ele para a seleção juvenil, mas pediu dispensa porque tinha acabado de ser mãe. A apresentação foi mais um dos inúmeros compromissos da nova agenda de Virna. A assessora de Imprensa pessoal, Roberta Pinto, brinca que quase ficou louca. Virna fotografou para as principais revistas do Brasil, entre elas Veja, Veja Rio, Caras, Quem e Chique e Famosos. Participou de dezenas de programas de TV, desde o Esporte Espetacular, da TV Globo, até o programa de auditório de Fábio Júnior na Rede Record. Hoje à noite, grava o Programa do Jô. "Tenho o pé no chão. Um dia isso acaba." A atacante fez até um piloto para a SporTV, batizado de "Virna Games", uma competição entre famosos. "Gosto de televisão e tenho interesse em ter um programa e ser técnica ao memo tempo. Mas antes quero ir à Olimpíada de Atenas pela quadra e jogar na praia", disse Virna, que ainda não recebeu os quatro meses de salários atrasados do Flamengo. Seleção - Virna desfalcará a seleção brasileira de Marco Aurélio Motta no Grand Prix. Ganhou "folga" dos jogos até agosto, assim como a levantadora Fofão. Disse que precisa cuidar do corpo - tem princípio de artrose no joelho direito - e da cabeça. "Quero levar meu filho para a escola", disse Virna, que hoje pôde ir em uma reunião de pais na escola Notre Dame. "Fiquei brava com o sete do Vitor em matemática."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.