Vitória da Espanha classifica Brasil

A surpreendente vitória da Espanha sobre a Rússia, por 3 sets a 2 (25/21, 23/25, 26/24, 23/25 e 19/17), nesta quarta-feira, em Recife, classificou o Brasil para as semifinais da Liga Mundial de Vôlei Masculino. Depois de ter vencido a Holanda por 3 a 0 (25/23, 25/18 e 25/23), a seleção brasileira obteve pontuação suficiente para garantir antecipadamente uma vaga no grupo E, mesmo que seja derrotada pelos russos nesta quinta-feira, a partir das 15h30 (com transmissão de Globo e SporTV). Os resultados da rodada desta quarta-feira deixaram o Brasil na primeira colocação da chave, com 4 pontos. Espanha e Rússia estão empatados com 3 e disputam a outra vaga do grupo, enquanto que a Holanda, com 2, já está eliminada. Caso os brasileiros sejam derrotados pelos russos e os espanhóis vençam os holandeses nesta quinta-feira, pode haver um tríplice empate. Na pior das hipóteses, mesmo com uma derrota por 3 a 0 para a Rússia, o Brasil já garantiu sua vaga por ter melhor set average, o primeiro critério de desempate. Afinal, os brasileiros ficariam com 6 sets ganhos e 4 perdidos - os russos passariam a ter 8 a 5. No caso de os espanhóis ganharem da Holanda também por 3 a 0, passariam a ter 7 a 5. Assim, na divisão dos sets ganhos pelos sets perdidos (set average), a seleção de Bernardinho levaria vantagem sobre a Espanha e a Rússia ficaria em primeiro lugar. A classificação antecipada aliviou a tensão na seleção brasileira. "Aliviados, não felizes. Existia o clima de euforia porque jogamos em casa, mas poderia ter sido um desastre se o Brasil não se classificasse", afirmou o técnico Bernardinho. O treinador brasileiro lembrou que, desde o início do torneio, o time não treinava por mais de cinco dias seguidos por causa da tabela - na primeira fase, jogou em Brasília, Porto (Portugal), Goiânia, João Pessoa, Katowice (Polônia) e Córdoba (Argentina). "Meus jogadores não são astronautas", reclamou. Bernardinho observou que na última Liga Mundial - as finais foram na Polônia -, vencida pelo Brasil, a equipe disputou em casa todos os jogos em que era mandante e só depois foi para o exterior. "Um time só cresce se treinar e evoluiu nesse tempo em Belo Horizonte e Recife." O Brasil jogou nesta quarta-feira a sua melhor partida na Liga. O saque forte (foram nove aces) atrapalhou o levantador holandês Nico Freriks. "Fez a grande diferença", admitiu o técnico holandês, Bert Goedkoop. A seleção marcou 41 pontos de ataque (a Holanda, 31), 5 de bloqueio (2) e 20 em erros do adversário (26). A vitória marcou o 500º jogo da carreira de Maurício com a camisa brasileira. Pelo grupo F, disputado em Belo Horizonte, vitórias de Itália e Iugoslávia, que também já garantiram vaga nas semifinais. Os italianos fizeram 3 a 1 (22/25, 25/19, 25/15 e 25/15) na Polônia e os iugoslavos ganharam da França por 3 a 0 (25/19, 25/20 e 25/17). Com duas vitórias em dois jogos disputados, Itália e Iugoslávia só precisam decidir agora quem fica em primeiro lugar da chave, no confronto desta quinta-feira. Polônia e França, que perderam duas vezes na fase final e já estão eliminadas, fazem o jogo de despedida da Liga Mundial também amanhã, em Belo Horizonte.

Agencia Estado,

14 Agosto 2002 | 21h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.