Arquivo/AE
Arquivo/AE

Vôlei: Brasil busca manter hegemonia no Sul-Americano

Das 27 edições já disputadas até hoje, a seleção brasileira masculina ganhou as 26 de que participou

14 de agosto de 2009 | 18h41

BOGOTÁ - Depois da conquista da última Liga Mundial de vôlei, a seleção masculina do Brasil chegou a Bogotá (Colômbia) para manter a hegemonia no Campeonato Sul-Americano da modalidade, competição na qual é a grande favorita ao título e cuja 28.ª edição começa neste sábado.

Os comandados do técnico Bernardinho só entram em quadra no domingo, contra a seleção peruana, às 19 horas (de Brasília). No dia seguinte, enfrentam o Uruguai, no mesmo horário. Na terça-feira, os adversários são os colombianos, donos da casa, às 21 horas. Argentina, Chile e Venezuela também participam do campeonato.

De acordo com o treinador, Argentina, Venezuela e Colômbia são os principais adversários do Brasil no sul-americano. "A Colômbia joga em casa, acostumada com o clima e a altitude. A Venezuela e a Argentina têm equipes fortes e já sabemos disso. Jogamos contra eles na Liga Mundial e sabemos que não podemos facilitar", analisou.

Já o ponta Giba disse que o Brasil sempre joga para ganhar. "Essa é a nossa meta. Sabemos que este Sul-Americano é importante, pois sempre ficamos com o título", lembrou o jogador, em alusão à hegemonia brasileira na competição - das 27 edições já disputadas, o Brasil ganhou as 26 de que participou.

A estrela da equipe brasileira também falou sobre a derrota nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, quando o Brasil perdeu a medalha de ouro para os Estados Unidos.

"Assimilar o golpe não foi fácil, éramos favoritos. Perder o ouro foi muito duro, mas os EUA jogaram melhor", lembrou Giba, ao acrescentar que a chave do sucesso do Brasil no vôlei masculino "é demonstrar que, diante de tudo, somos uma família".

Além disso, o ponta declarou que a competição continental é importante principalmente porque dá uma vaga na Copa dos Campeões. "Depois, é bom estar numa competição onde o treinador pode fazer testes na equipe. Só temos que tomar cuidado com os adversários", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.