Vôlei: Cruzeiro pede que STJD anule jogo da Superliga

Equipe de Minas Gerais quer a impugnação do confronto em que o time foi superado pelo Vôlei Futuro

Redação,

23 de janeiro de 2009 | 16h54

O jogo entre Vôlei Futuro (SP) e Sada/Cruzeiro (MG), realizado no último dia 14 e que foi válido pela primeira rodada do terceiro turno da Superliga masculina de vôlei, é certamente o confronto mais polêmico da competição até o momento.A equipe de Minas Gerais, que foi superada em Araçatuba (SP) pelos paulistas por 3 sets a 1, com parciais de 24/26, 25/22, 25/23 e 25/16, quer que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de Vôlei cancele o jogo e marque uma nova partida. Por enquanto, tudo depende de um parecer do presidente da entidade, Aloysio Costa.A polêmica aconteceu devido a um erro do árbitro Paulo Turci, que na súmula do confronto confessou que cometeu um equívoco.No quarto set, quando o Vôlei Futuro vencia a partida por 2 a 1 e a parcial por 11 a 7, os jogadores dos dois times discutiram durante um tempo técnico e o árbitro aplicou dois cartões amarelos para cada lado.De acordo com a atual regra do voleibol, a equipe adversária sempre ganha um ponto quando a outra é advertida. Além disso, como os cartões foram dados ao mesmo tempo, cada time deveria fazer uma rotação para cumprir o sistema de rodízio. No entanto, de forma equivocada, o árbitro determinou duas rotações para o Cruzeiro e apenas uma para o Vôlei Futuro, o que modificou o posicionamento dos atletas em quadras no restante do set.Além da anulação do jogo, os mineiros também querem que Paulo Turci e o delegado da partida, Yochio Izobe, compareçam ao STJD para prestar esclarecimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.