Vôlei do Brasil busca a recuperação

A seleção brasileira feminina de vôlei estreou com derrota na Copa dos Campeões, nesta terça-feira, no Japão. Demonstrando falta de paciência e atenção, requisitos básicos para enfrentar times da escola asiática, a equipe comandada pelo técnico Marco Aurélio Motta perdeu para as japonesas por 3 sets a 0, com parciais de 26/24, 25/20 e 25/22. "Para jogar contra a melhor defesa do mundo, é preciso paciência e nós não tivemos. Nossa atuação foi bem abaixo da crítica", declarou a ponteira Virna. Agora, o próximo desafio das brasileiras é contra a Rússia, em jogo que acontece às 5h (horário de Brasília) desta quarta-feira. Depois, o Brasil enfrenta na madrugada de sexta-feira, na mesma hora, a Coréia do Sul, que também tem como pontos fortes a defesa e o volume de jogo. A rodada de abertura do torneio teve algumas surpresas: a Coréia venceu os Estados Unidos por 3 a 1 (25/18, 25/21, 19/25 e 25/23) e a China superou a Rússia pelo mesmo placar, parciais de 33/35, 25/21, 25/19 e 27/25. Marco Aurélio não soube explicar os motivos da derrota. Deixou a quadra muito chateado e decepcionado. "A preparação física foi bem feita. Elas estavam animadas, querendo jogar e sabiam exatamente o que precisavam para vencer...", lamentou. "O Japão mereceu a vitória, já que o nosso sistema de jogo não funcionou." A ponteira Virna acredita que a seleção brasileira descontrolou-se com o volume de jogo das adversárias. "Ficamos irritadas quando a bola não caía. E tem mais: jogar hoje em dia contra equipes asiáticas sem ter um bom saque, é impossível." O Brasil, que já não tinha começado o jogo muito bem - cometeu vários erros de contra-ataque -, tomou um verdadeiro baile das japonesas no último set. Virna, de 1,84 metro, a maior pontuadora do time brasileiro no jogo (12 pontos), chegou a ser bloqueada pela levantadora Takeshita, uma "anã" para o vôlei, com 1,59 metro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.