Vôlei do Brasil busca vaga na final

A seleção brasileira masculina de vôlei busca neste sábado mais uma vaga em final de campeonato. Desta vez, pela Copa América, que está sendo realizada em Buenos Aires, na Argentina. Os brasileiros enfrentam os norte-americanos na primeira semifinal da noite (às 18h30, com transmissão da ESPN Internacional). A segunda vaga para a decisão do título será às 21h30, entre argentinos e cubanos ? estes, os únicos invictos na competição.Na campanha do time de Bernardinho só foi computada uma derrota no torneio: 3 a 2 para Cuba. A seleção dos Estados Unidos, comandada pelo técnico Doug Beal, perdeu três vezes: para a Venezuela, Cuba e Brasil.Mas Bernardinho aponta esse adversário como sendo ?muito complicado? de lidar. ?Hoje, a equipe dos Estados Unidos é superior à da Argentina e por isso, teremos de ter mais atenção do que no último jogo (vitória sobre a Argentina). Em qualquer circunstância o time norte-americano é sempre extremamente perigoso e exige muita atenção.?Do rival na semifinal, o técnico brasileiro destacou a qualidade do bloqueio e defesa. ?A relação entre bloqueio e defesa é muito constante. E a qualidade do saque adversário é que permite essa estabilidade?, afirmou. Bernardinho ainda deu um alerta ao seu time: ?Teremos de jogar com muita tranqüilidade e ter paciência para decidir os pontos na hora certa. Não podemos ir com muita sede ao pote, como no primeiro set da partida anterior contra os norte-americanos.?Para o meio-de-rede brasileiro Henrique, o time precisa apresentar o mesmo ritmo que apresentou contra a Argentina. ?Precisamos tentar forçar o nosso ritmo, como na partida contra os argentinos. Se saque e passe estiverem bem, a vitória virá com mais tranqüilidade?, disse o jogador.O líbero Escadinha conhece a tática dos rivais e espera que todos os seus companheiros se mantenham concentrados do início ao fim da partida. ?A defesa deles é muito compacta e o volume de jogo, constante. Por isso, temos de sacar e bloquear bem durante todo o confronto.?O levantador Maurício sabe que essa partida deve ser mais difícil que aquela contra os argentinos, na rodada final da primeira fase, e não quer empolgação antes da hora. ?Será um jogo totalmente diferente. Agora, vale vaga na final. A adrenalina estará alta e nós não poderemos deixar eles respirarem um só instante. Se estivermos bem na recepção e o passe chegar às minhas mãos, vamos poder variar mais as jogadas e utilizar todo o nosso poder de ataque?, assinalou.O Brasil deve começar com Maurício, André Nascimento, Henrique, Gustavo, Giba, Nalbert e Escadinha, o líbero. Os Estados Unidos, com Taliaferro, Priddy, Salmon, Hoff, Stanley, Naeve e Sullivan como líbero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.