Vôlei Futuro pinta ginásio de rosa em homenagem a Michael; veja fotos

Equipe assume luta contra o preconceito durante jogo diante do Cruzeiro

estadão.com.br

09 de abril de 2011 | 17h19

SÃO PAULO - A diretoria do Vôlei Futuro não deixou passar em branco o episódio de homofobia envolvendo o jogador Michael. Neste sábado, na segunda partida da semifinal da Superliga masculina, em Araçatuba (SP), o Ginásio Plácido Rocha foi praticamente pintado com as cores do movimento LGBT.

Michael, que é homossexual e na partida da semana passada em Contagem (MG) havia sido chamado de "bicha" pela torcida adversária, foi o mais incentivado em quadra. Ele jogou bem e o Vôlei Futuro ganhou por 3 sets a 2 (19/25, 25/17, 21/25, 25/22 e 18/16).

No ginásio, a torcida do Vôlei Futuro exibiu uma grande bandeira com os dizeres 'vôlei Futuro contra o preconceito'. O público também exibiu bexigas na cor rosa com o nome de Michael.

Em quadra, o time paulista utilizou um uniforme de treino rosa antes do início da partida. Já o líbero Mario Jr. Usou uma camisa com as cores do arco-íris, um dos símbolos do movimento LGBT.

Veja também:

link Após polêmica, Vôlei Futuro empata semi da Superliga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.