Vôlei: técnico vibra com São Caetano

O técnico Hairton Cabral, de 36 anos, foi o ?coração? do time de São Caetano na vitória contra o BCN/Osasco, por 3 sets a 2 (25/21, 21/25, 25/22, 18/25 e 15/09), sábado, no segundo jogo da série melhor-de-três, que define quem será o campeão paulista de vôlei feminino. No domingo, o próprio Hairton admitiu que não costuma ser tão emocional, com gestos e berros na beira da quadra. ?Sou pacato, as pessoas estranharam, mas não pude evitar.? Acha que o seu envolvimento com o time é muito grande. ?É a gestação de um projeto. Não tenho como ser indiferente ao meu filho.?São Caetano surpreendeu ao vencer na casa do adversário, sábado, e adiou a decisão do torneio para terça-feira, às 20h30, novamente no Ginásio Prof. José Liberatti, em Osasco (com SporTV). São Caetano perdeu o primeiro jogo, mas reagiu, devolveu a derrota ? as duas partidas foram decididas no tie-break ? e empatou o playoff por 1 a 1. Hairton adotou uma tática arriscada, com variação de jogadas, e levou um grupo sem estrelas, com orçamento modesto, à final contra o poderoso BCN.Nem o fato de saber que perderá o cargo, assim que terminar o Paulista mudou o seu comportamento do técnico Hairton. O time conseguiu um patrocinador e o ?pacote? fechado por José Carlos Brunoro com o Açúcar União, inclui o técnico William Carvalho. Hairton comandará o time juvenil de São Caetano ? não aceitou ser assistente-técnico.O treinador acredita que suas jogadoras atuaram ?no limite?, sábado, mas não desiste: tentará convencê-las que terão de readaptar-se rapidamente para as mudanças que fará José Roberto Guimarães, técnico do BCN, escalando Virna desde o início, e Jaqueline. Virna entrou no sábado, mas sentiu a obrigação de resolver e não estava totalmente entrosada com o grupo ? está voltando da seleção. ?Mas agora terá tempo de treinar e ganhar ritmo.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.