Zé Roberto inicia planejamento da seleção feminina após o ouro

Técnico diz que conciliará trabalho na seleção brasileira com seu novo clube, o italiano Scavolini Pesaro

Marcius Azevedo, Jornal da Tarde

17 de setembro de 2008 | 10h31

O técnico José Roberto Guimarães confirmou, durante visita ao CT do São Paulo, na terça, que conciliará o trabalho na seleção feminina de vôlei com o do clube italiano Scavolini Pesaro, e seguirá à frente da equipe campeã olímpica em Pequim até os Jogos de Londres, em 2012. O ciclo já começou.O único empecilho, segundo ele mesmo, era a intenção do presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, de mantê-lo no Brasil o tempo todo, trabalhando apenas na seleção. Situação que foi superada. "Estava acertado que eu ficaria na seleção, mas não foi anunciado porque ainda existia uma pendência. Eles não queriam que eu voltasse como técnico para a Itália, mas, antes da Olimpíada, não sabia como seria meu futuro e já tinha acertado o contrato lá."Zé Roberto já trabalha em duas frentes. A primeira é encontrar uma substituta para Fofão. A levantadora de 38 anos se despediu da seleção com o título do Final Four, em Fortaleza, no último dia 7. "Quero ajudar na formação da nova levantadora, que é agora o calcanhar de Aquiles da seleção feminina", comentou.Entre as possíveis substitutas estão Carol, reserva de Fofão em Pequim, Marcelle e Fabíola.  O treinador também já avisou que ninguém tem lugar garantido após conquistar o ouro na China e ameaça trocar algumas peças do grupo para alcançar seu outro objetivo na equipe: quer conquistar o Campeonato Mundial. A próxima edição será em 2010, no Japão."É algo que ainda não conseguimos", afirmou. "Também já avisei para as meninas que ter sido campeã olímpica não terá um peso maior na minha convocação."Antes disso, no entanto, Zé terá de enfrentar nove das 12 campeãs olímpicas no Salonpas Cup, de 27 de setembro a 5 de outubro, no Ginásio do Ibirapuera. O seu Pesaro está entre os participantes."Só a Fofão, a Mari e a Sheilla não vão estar. Eu me sinto emocionado com isso, mas cada um precisa fazer o seu trabalho. Sei que vão querer ganhar de mim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.