Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Após quarta rodada sem vencer, jogadores do Corinthians ‘se fecham’ para clássico

Derrota para a Ponte Preta deixa equipe preocupada com o risco de ficar a apenas três pontos de distância do rival Palmeiras

Jonathas Cotrim, Especial para O Estado de S.Paulo, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 07h00

Logo que o juiz Marcelo Aparecido apitou o fim da partida entre Ponte Preta e Corinthians, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, os jogadores do time da capital se reuniram no gramado do Moisés Lucarelli e conversaram rapidamente antes de irem para os vestiários. A equipe foi derrotada por 1 a 0 e agora vê o risco do Palmeiras, segundo colocado da competição, ficar a apenas três de pontos distância do líder.

+ Após derrota, Fábio Carille diz que reta final do Brasileirão será emocionante

+ Cássio culpa defesas do colega Aranha pela derrota do Corinthians em Campinas

A conversa rápida serviu para o elenco se fechar e focar no confronto do próximo domingo - o clássico com o rival será em Itaquera. Mesmo com a aproximação do rival, os jogadores do Corinthians, que já tiveram onze pontos de vantagem para o vice-líder, não aceitaram as insinuações de que tenha havido relaxamento neste segundo turno. Os atletas garantiram que não vão perder a motivação para conquistar o hepta.

“Não pode deixar cair, só depende da gente. Vamos nos fechar para ganhar essa p***”, disse com entusiasmo o atacante Clayson, que mais uma vez entrou no decorrer da partida e deu novo fôlego para as jogadas ofensivas do time. O técnico Fábio Carlile assume que o jogador está merecendo a titularidade.

Antes da derrota para o time de Campinas, o Corinthians foi derrotado pelo Botafogo, por 2 a 1, empatou com o Grêmio em 0 a 0 e perdeu para o Bahia por 2 a 0. A última vitória alvinegra foi no dia 11 de outubro, quando venceu o Coritiba por 3 a 1.

“Equipe fechada” foi o termo mais repetido pelos atletas na saída de campo. “Temos que ficar com cabeça erguida, tem muita para acontecer ainda. Nos momentos bons e ruins, a equipe sempre esteve fechada para sermos campeões”, afirmou o volante Gabriel.

O temor corintiano se deve pela boa sequência do rival alviverde, que vem de uma sequência de três vitórias consecutivas. O Palmeiras ainda enfrenta o Cruzeiro, às 20h desta segunda-feira, e pode chegar no clássico com apenas três pontos de distância. Caso vença as duas partidas, o time assumiria a liderança pelos critérios de desempate.

Com a semana inteira para trabalhar, o técnico Fábio Carlile disse que vai focar o psicológico da equipe, que sofre com a pressão pelas atuações abaixo da média. “Eu procurei controlar o emocional para esse jogo contra a Ponte, pois sabia da situação do adversário e da cobrança, mas vamos trabalhar forte essa semana para o clássico”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.