Massimo Pinca/Reuters
Massimo Pinca/Reuters

Buffon anuncia seu adeus à Juventus: 'É um dia cheio de emoção'

Goleiro de 40 anos diz ter recebido várias ofertas e ainda não sabe se deixará o futebol

O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 07h46

Capitão e símbolo da Juventus, Gianluigi Buffon anunciou nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, que está deixando o clube de Turim. O goleiro, porém, não confirmou a sua aposentadoria dos gramados, indicando que poderá dar sequência na sua carreira por outro time de fora da Itália.

Na entrevista coletiva convocada para esta quinta no Allianz Stadium, a expectativa era para que Buffon, considerado um dos melhores goleiros de todos os tempos, anunciasse o fim da sua carreira, acompanhado do presidente da Juventus, Andrea Agnelli. Mas não foi isso que aconteceu.

+ Buffon volta a jogar final da Copa da Itália após 19 anos e exalta

+ Uefa indicia Buffon por atitude agressiva contra árbitro na Liga dos Campeões

Em vez disso, Buffon, de 40 anos, afirmou que o jogo de sábado contra o Verona, pelo Campeonato Italiano, será o seu último dos seus 656 pela Juventus, mas que ofertas recebidas de outros clubes o levaram a mudar de ideia sobre sua aposentadoria.

"Sábado eu vou jogar uma partida e essa é a única coisa certa. Até cerca de duas semanas atrás, eu estava certo de que iria parar de jogar. Agora, chegaram ofertas para dentro e fora do campo, que me empolgaram, sendo a mais importante proposta feita a mim por Agnelli. Eu vou deixar passar esses três dias e então vou tomar uma decisão definitiva, calmamente."

 

Buffon iniciou a sua carreira profissional pelo Parma, se transferindo para a Juventus em 2001. Ele descartou a possibilidade de ir a outro time da Itália ou de divisões inferiores para seguir nos gramados. "Eu não sou alguém que pensa que é certo terminar a minha carreira na, quem sabe, terceira ou quarta divisão. Eu sou um animal competitivo e não teria condições de viver nessa situação. Eu não me sentiria à vontade", acrescentou.

O goleiro foi ligado a uma transferência para o Liverpool, que, curiosamente, está na final da Liga dos Campeões da Europa, um dos poucos troféus que faltam na sua galeria - ele disputou três decisões do torneio continental e perdeu todas.

"Eu disse que recebi ofertas muito interessantes", disse Buffon, quando perguntado diretamente sobre uma mudança para o Campeonato Inglês. "Na próxima semana, uma vez que tudo tenha se acalmado um pouco, eu vou decidir o que será melhor para mim. Se eu decidir continuar, será para lutar por coisas grandes".

Buffon ajudou a Juventus a conquistar o sétimo título consecutivo do Campeonato Italiano no domingo, quatro dias depois de o time levar o tetra consecutivo da Copa da Itália. Foi o nono título italiano do goleiro pelo clube de Turim, mas os outros dois foram retirados por causa do escândalo conhecido como "Calciopoli". O time foi, então, rebaixado para a segunda divisão, mas Buffon permaneceu na Juventus e a ajudou a voltar à elite.

O goleiro se aposentou da seleção em novembro, quando a Itália foi eliminada na repescagem das Eliminatórias para a Copa do Mundo pelas Suécia, mas recentemente retornou para amistosos. Ele fez parte do grupo da seleção italiana que venceu a Copa do Mundo de 2006. Buffon poderá se despedir definitivamente da seleção nacional em um amistoso em 4 de junho contra a Holanda, no Allianz Stadium. "Eu não preciso de outras demonstrações de afeto", acrescentou Buffon. "A Itália já tem grandes e jovens goleiros."

A braçadeira do capitão do time de Turim, que Buffon usa desde a saída de Alessandro Del Piero em 2012, será entregue a outro veterano, o zagueiro Giorgio Chiellini. Já Wojciech Szczesny vai se tornar o goleiro titular da Juventus na próxima temporada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.