Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Carille nega acomodação e quer Corinthians jogando como líder

Técnico diz que time mantém a liderança graças a 'gordurona' obtida no primeiro turno

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2017 | 20h06

Após acabar o primeiro turno na liderança do Brasileiro com 47 pontos, o Corinthians caiu de rendimento no segundo turno e dos 21 pontos disputados, ganhou apenas oito. Para o técnico Fábio Carille, isso não é sinal de acomodação, entretanto, o treinador espera ver sua equipe sabendo como jogador líder da competição.

+ Clayson diz que empate deve ser valorizado pelo Corinthians

"Eles não acham que está ganho, pode ter certeza. Tenho um grupo muito ciente e temos um trabalho de imagens, mensagens e não abro mão do trabalho em campo. Temos de saber jogar como líder, pois nós conquistamos isso, ninguém nos deu. É o nosso trabalho no dia a dia", disse. 

O treinador acredita que o desempenho no primeiro turno foi muito acima do normal e que justamente isso faz com que o time tenha mais possibilidades de erro. "Acontece com toda as equipes e o que fizemos no primeiro turno foi fora do normal. Se tivéssemos virado em 35, eu estava feliz, mas viramos com 47. Não foi uma gordurinha, foi uma 'gordurona', que nos mantém à frente mesmo sem os resultados esperados", analisou o treinador. 

Com os resultados do final de semana, o Corinthians viu a diferença para o segundo colocado cair para oito pontos. O time de Carille lidera o Brasileiro com 55 pontos, enquanto o Santos - que venceu o Palmeiras por 1 a 0 - aparece com 47 e o Grêmio - que também derrotou o Fluminense por 1 a 0 - aparece em terceiro com 46.

+ Veja como está a classificação do Campeonato Brasileiro 

O elenco do Corinthians folga na segunda e na terça-feira e só retorna aos treinamentos na quarta-feira. Nesta segunda-feira, os volantes Gabriel e Maycon serão julgados pelos incidentes no clássico com o São Paulo e podem ser suspensos. 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians futebol Fábio Carille

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.