Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians

Jogadores do Corinthians não se incomodam com placar magro e Carille elogia grupo

Equipe paulista venceu o Atlético-GO e assumiu a vice-liderança do Brasileirão

Estadão Conteúdo

28 Maio 2017 | 18h58

Das 18 vitórias do Corinthians no ano, dez foram pelo placar mínimo de 1 a 0. Mas isso não incomoda os jogadores da equipe. "A gente ganha bastante de 1 a 0, mas soma pontos da mesma forma que (se tivesse obtido uma) goleada. É campeonato de pontos corridos e toda vitória é importante. Essa vale como se fosse um clássico", afirmou Rodriguinho, que marcou o único gol da vitória sobre o Atlético-GO, neste domingo, no Serra Dourada, em Goiânia, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

O ponto forte da equipe tem sido a força defensiva. Em mais da metade dos jogos que disputou o Corinthians não foi vazado. "Fomos campeões do Paulistão, somos o time da Série A que menos perdeu no ano e temos um grande aproveitamento fora de casa. A equipe é forte. Provamos que vamos brigar pelo título", comentou o volante Gabriel.

Para o técnico Fábio Carille, apesar da vitória por 1 a 0, o Corinthians demonstrou futebol para marcar mais vezes. "Faltou tranquilidade, pois tivemos chances na cara do gol. O Jô perdeu aquele gol, mas parece que estava impedido. Teve a chance com Clayson. O time triangulou bastante. Tenho certeza de que se o campo estivesse molhado a gente teria criado muito mais oportunidades", disse o comandante, se referindo ao fato de que o gramado estava muito duro e dificultou as possibilidades de o time criar mais chances de gol.

O treinador acha que seus comandados tiveram um bom desempenho e espera que o Corinthians consiga manter essa regularidade na temporada, ainda mais porque o campeonato é bem longo. "Na minha concepção e ideia de trabalho, em 80% dos jogos nós atuamos bem. Do que eu implantei como ideia, tudo saiu do papel através de trabalho e treinamento. A ideia é buscar equilíbrio sempre", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.