EFE/ROBERT GHEMENT
EFE/ROBERT GHEMENT

Alemanha é assunto proibido em conversas da seleção brasileira

Brasil prega foco total em duelo diante da Sérvia, pela última rodada do Grupo E

Ciro Campos e Marcio Dolzan, enviados especiais / Moscou, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 05h00

O nome Alemanha ainda é proibido nas conversas dos jogadores e da comissão técnica da seleção brasileira. Mas ele ronda Sochi. A equipe joga nesta quarta-feira contra a Sérvia, em Moscou, com a possibilidade de se classificar para enfrentar na próxima fase os atuais campeões mundiais, porém o elenco ainda tenta ignorar esse cenário, para não fazer com que isso atrapalhe a preparação, ou evitá-lo por hora.

+ Brasil enfrenta a Sérvia para se juntar aos gigantes nas oitavas

+ Seleção brasileira sofre com a falta de gols dos seus centroavantes

Brasil e Alemanha se enfrentam nas oitavas caso um deles se classifique em primeiro do grupo e o outro em segundo lugar. Os tetracampeões do mundo entram em campo mais cedo, contra a Coreia do Sul, em Kazan. Portanto, o Brasil começa o jogo com a Sérvia já ciente de quem poderá ser o adversário nas oitavas de final.

Como a Alemanha não está em situação confortável no Grupo F, tem grandes possibilidades de avançar em segundo. O Brasil nega levar isso em consideração para planejar em terminar como segundo colocado da chave e, assim, conseguir evitar o encontro logo nas oitavas de final. “A gente não pensa na Alemanha. Quem quer ser campeão não pode escolher adversário. Vamos jogar para ser primeiro do grupo”, diz Miranda.

Desde o encontro na última Copa, a derrota por 7 a 1 na semifinal, o Brasil enfrentou a Alemanha uma vez, em amistoso realizado em março, em Berlim. A equipe de Tite ganhou por 1 a 0, com gol de Gabriel Jesus. O elenco do Brasil tem seis remanescentes do massacre de 2014, porém apenas o lateral Marcelo foi titular na derrota daquela tarde em Belo Horizonte.

O técnico Tite também nega pensar na Alemanha por enquanto. “Nós não podemos pensar nisso e não estamos pensando agora”, garante. Na opinião dele, a equipe não pode escolher quem enfrenta ou deliberadamente buscar ficar em segundo lugar para tentar fugir de um confronto teoricamente mais difícil. “O adversário que tiver de vir, que venha, desde que a gente mereça passar”, disse.

Tanto Brasil quanto Alemanha não têm ainda presenças garantidas nas próximas fases. Os alemães precisam ganhar da Coreia do Sul e torcer para a Suécia não bater o México. Caso contrário, a decisão das vagas dependerá de critérios de desempate. A seleção depende apenas de um empate para se classificar, mas, para ficar em primeiro lugar do seu grupo sem depender de saldo de gols ou outros itens, tem de ganhar da Sérvia e torcer para a Suíça no máximo empatar com a Costa Rica.

As duas seleções com o retrospectos vitoriosos no futebol mundial começaram a Copa em baixa, com trajetórias parecidas. Na estreia, a Alemanha perdeu para o México por 1 a 0, e o Brasil ficou no empate por 1 a 1 com a Suíça. Depois, na segunda rodada da disputa, ambos garantiram as vitórias nos acréscimos. Os alemães bateram a Suécia por 2 a 1, e a seleção brasileira fez 2 a 0 na Costa Rica.

 

ALEMANHA

Da mesma forma, o técnico Joachim Löw afirmou que sua preocupação está na partida contra a Coreia do Sul, em Kazan, e não no Brasil. Uma vitória por dois gols de diferença classifica o time para a próxima fase, mas o triunfo por margem mínima ou empate pode sujeitar a definição das vagas ao critério disciplinar ou sorteio.

“Serei informado sobre o placar entre México e Suécia e vamos tentar ajustar algo, se necessário. Mas temos de ter clareza com nosso próprio resultado. Temos de ganhar, se possível, por dois gols de diferença. Cabe ao nosso próprio desempenho e precisamos fazer tudo para depender só da gente”, comentou o treinador.

O estilo veloz da equipe adversária preocupa Löw, que viu a Alemanha sofrer gols de Suécia e México em contra-ataques. “Falamos sobre isso várias vezes. Não tem a ver só com a defesa. Fomos bem melhores em evitar a transição da seleção sueca do que da mexicana. Esse é o forte da Coreia do Sul, os jogadores deles amam fazer isso. Não podemos permitir perdas tolas de posse de bola”, analisou.

Nesta terça-feira, uma chuva de granizo cancelou treinos de Alemanha e Coreia do Sul na Arena Kazan. As atividades foram remarcadas para outros dois campos na cidade.

FUTURO DO BRASIL

Se tudo sair como o planejado pela comissão técnica e a seleção brasileira se classificar para as oitavas de final da Copa da Rússia em primeiro lugar no Grupo E, a equipe de Tite terá como destino do próximo jogo a cidade de Samara. A partida, nesse caso, será disputada segunda-feira às 11 horas, horário de Brasília.

Caso fique em segundo lugar, Neymar e seus companheiros ganharão um dia a mais para se preparar para a fase seguinte. Nesse cenário, o time viaja para São Petersburgo, para disputar o jogo de oitavas na terça-feira, também às 11 horas.

Em qualquer um dos casos, o adversário do Brasil virá do Grupo F, cuja classificação ainda está indefinida. No momento, México lidera o grupo com 6 pontos. Alemanha e Suécia têm três pontos cada, e disputam o segundo lugar – embora, matematicamente, qualquer uma delas possa liderar o grupo, dependendo do que acontecer nos jogos desta quarta. Coreia joga com Alemanha e México com Suécia, ambos às 11h, horário de Brasília. Sem marcar nenhum ponto até agora, as chances da Coreia do Sul são bastante remotas.

Se disputar as oitavas como primeiro do Grupo E e vencer, o desafio seguinte, pelas quartas, será dia 6, uma sexta-feira, às 15h, na Arena Kazan. A partir daí, a semifinal tem lugar em São Petersburgo, dia 10, no mesmo horário.

Mas no caso de ser segunda colocada e passar pelas oitavas, o compromisso seguinte da seleção será em Samara, dia 7, às 11h. Seguindo em frente, joga a semifinal em Moscou, no dia 11, às 15 horas. A final da Copa será no dia 15, ao meio-dia, no estádio Luzhniki, em Moscou. A disputa de terceiro lugar ocorre em São Petersburgo, um dia antes.

Caso a seleção seja eliminada nesta quarta, os jogadores estarão liberados. Não terão, portanto, obrigação de voltar a Sochi.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.