Victor Lerena/EFE
Victor Lerena/EFE

Após deixar o Atlético de Madrid, Fernando Torres assina com clube japonês

Espanhol fecha com o Sagan Tosu, equipe de apenas 21 anos que disputa a primeira divisão local

Estadão Conteúdo

10 Julho 2018 | 08h22

O atacante Fernando Torres foi anunciado nesta terça-feira como novo reforço do Sagan Tosu. O jogador de 34 anos deixou o Atlético de Madrid ao fim da última temporada europeia, fez mistério sobre seu destino, mas, agora, foi confirmado como nova peça no elenco do clube da primeira divisão japonesa.

+ Guangzhou Evergrande confirma retorno do brasileiro Paulinho

+ Barcelona oficializa Arthur como reforço e fixa multa de R$ 1,8 bilhão

"O Sagan Tosu e seu presidente foram os que mais insistiram em mim, creio que vai me trazer muito no aspecto esportivo e pessoal. A Ásia sempre me tratou muito bem. A sensação que eles têm de que posso levar o clube para onde deve estar é outro dos motivos que me fizeram ver sua confiança em mim", comentou o jogador.

As especulações sobre a ida de Torres para o clube eram antigas e, em maio, o site da liga japonesa chegou a anunciar o acordo, antes de apagar a publicação. Nesta terça, porém, o acerto foi oficializado, o que fará do espanhol o maior reforço da história do Sagan Tosu, time de apenas 21 anos.

Torres foi formado nas divisões de base do Atlético de Madrid, brilhou também no Liverpool, mas, depois, decepcionou com as camisas do Chelsea e do Milan antes de voltar ao Atlético. Também foi nome importante na seleção espanhola, pela qual conquistou a Copa do Mundo de 2010 e as Eurocopas de 2008 e 2012. Em 2008, chegou a ficar em terceiro lugar na eleição de melhor do mundo da Fifa.

De acordo com a imprensa europeia, o atacante chegou a negociar com o futebol australiano antes de fechar com o Sagan Tosu, onde atuará ao lado do colombiano Victor Ibarbo, campeão da Libertadores de 2016 com o Atlético Nacional. Assim, ele segue os passos de seu ex-companheiro de seleção Andrés Iniesta, que fechou recentemente com o Vissel Kobe.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.