Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Após vitória, Cuca exalta recuperação de Gabriel no Santos

'Está com alto astral, momento bom, e que fique assim pelo menos até o fim do ano', disse o treinador

Estadão Conteúdo

25 Agosto 2018 | 19h46

Com o segundo gol da vitória sobre o Bahia por 2 a 0 neste sábado, o atacante Gabriel chegou ao sétimo no Campeonato Brasileiro. Mais do que isso, ele confirmou a boa fase e a recuperação após atuações ruins e vaias da torcida do Santos. A vitória espelha a própria volta por cima do time no torneio. O Santos se distanciou da zona de rebaixamento e soma quatro jogos sem perder. O técnico Cuca revelou que fez um trabalho específico para recuperar o bom futebol do atacante.

"Quando cheguei, falei que era fácil tirar o Gabriel do time, mas trabalho não é esse, é recuperação. Passa por atitudes, atitude diferenciada em espaço de campo menor, com desgaste menor. Ele, às vezes, sai demais e faz falta no meio. Ele está respaldado, é um líder, foi nosso capitão merecidamente. Está com alto astral, momento bom, e que fique assim pelo menos até o fim do ano, melhorando ainda mais", afirmou o treinador em entrevista coletiva na Vila Belmiro.

"Fiz o que eu deveria fazer, cobrei, expliquei que ele tinha que se posicionar melhor, falei da real posição. Disse que queria ser centroavante e trabalhamos para isso, só não dava para ficar de costas, ficou de lado. Respondeu bem, ficou no banco, deu para ter ideia da melhora sem ele ou se não fazia falta. Sai o peso dele. A gente não faz por querer, mas coisas se mostram. Voltou titular, rendeu bem e hoje foi nosso capitão. Sempre reivindicando as coisas para os companheiros", completou o treinador.

A recuperação de Gabriel faz contraste com as dificuldades de Bruno Henrique. Após seguidas lesões, a principal delas no olho esquerdo, que o tirou dos gramados por três meses, o jogador ainda não conseguiu reeditar as boas atuações do ano passado. Cuca pediu paciência com o atacante, substituído por Bryan Ruiz no segundo tempo.

"Tem jogadores que temos que ter paciência, nem todos ficam na mesma fase. Tem que entender o porquê. Por que não rende bem? Às vezes falta trabalho meu, triangulação maior, do outro lado tem mais. Pode ficar órfão de jogada trabalhada. Está pegando mano a mano? Temos que criar alternativas para ele", afirmou o treinador.

Após a recuperação no Campeonato Brasileiro, o Santos direciona o foco para a Copa Libertadores. Na terça-feira, o time recebe o Independiente pelo jogo de volta das oitavas de final. No jogo de ida, empate por 0 a 0. O clube aguarda o posicionamento da Conmebol sobre uma suposta escalação irregular do uruguaio Carlos Sánchez na Argentina. Se o erro for confirmado, o placar da primeira partida pode ser alterado para 3 a 0 a favor dos argentinos. Com isso, o Santos precisaria devolver o placar para levar a decisão para os pênaltis. O julgamento será realizado nesta segunda-feira.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.