Heuler Andrey/AFP
Heuler Andrey/AFP

Atlético-PR leva gol no fim, empata com Capiatá e se complica na Libertadores

Paranaenses ficam no 3 a 3 com paraguaios na Arena da Baixada

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

15 Fevereiro 2017 | 23h50

O Atlético-PR se complicou na luta por uma vaga na fase de grupos da Libertadores. Pelo terceiro e último estágio preliminar da competição, a equipe recebeu o Deportivo Capiatá nesta quarta-feira e, mesmo ficando com um jogador a mais durante boa parte do segundo tempo na Arena da Baixada, não passou de um empate por 3 a 3 no jogo de ida.

O resultado foi péssimo para o Atlético-PR porque o rival entrará em campo com a classificação nas mãos no confronto da volta, marcado para a próxima quarta-feira, no Paraguai. Ao Atlético-PR, será necessária uma vitória ou um empate por placar superior a 3 a 3. Quem passar deste confronto entrará no Grupo 4, ao lado de Flamengo, San Lorenzo e Universidad Católica.

Sem grande criatividade, o Atlético-PR mostrou sua força nas jogadas de bola parada e pelo alto, principalmente com Felipe Gedoz, autor de dois gols. O Capiatá teve um jogador expulso no início da etapa final, viu o time da casa virar o placar aos 39 minutos, mas teve forças para selar o empate já aos 43.

O JOGO

O Atlético-PR começou melhor e chegou pela primeira vez em cobrança de falta de Felipe Gedoz, que arriscou direto mesmo com pouco ângulo e quase surpreendeu Medina. Rapidamente, no entanto, o Capiatá igualou as ações, ganhou o campo de ataque e equilibrou a partida.

Quando o Capiatá parecia até melhor que os donos da casa, o Atlético-PR abriu o placar. Aos 19 minutos, Otávio tirou a bola da defesa e Grafite, na experiência, cavou uma falta na meia-lua, longe da disputa pela bola. Gedoz cobrou com força, no canto do goleiro. A bola desviou no meio do caminho e matou Medina, que não alcançou.

O gol embalou o Atlético-PR, que se tornou mais ofensivo. Aos 30, Jonathan foi à linha de fundo pela direita e cruzou. A bola passou por Grafite e Pablo chegou no carrinho, mas não pegou em cheio. Quatro minutos demais, Gedoz arriscou de muito longe, rente à trave esquerda.

O Atlético-PR era superior, mas pouco se movimentava no ataque e, por isso, dependia dos cruzamentos e dos chutes de longe. O Capiatá, então, voltou a crescer e quase empatou aos 35, quando Irrazábal arriscou pela esquerda e acertou o travessão. Aos 43, no entanto, saiu o gol. O mesmo Irrazábal encontrou Bonet entrando sozinho na área pela direita. O experiente lateral deu assistência precisa de cabeça para Noguera, que finalizou para a rede.

O gol não abalou o Atlético-PR, que voltou novamente superior do intervalo e quase voltou à frente logo aos três minutos. Nikão recebeu cruzamento de Grafite, dominou e bateu no canto, mas Medina fez ótima defesa.

Só que logo na primeira oportunidade na segunda etapa, o Capiatá virou o jogo aos sete minutos. Após cobrança de falta pela esquerda, Paredes tocou para o meio e Néstor González, em posição duvidosa, marcou.

O time e a torcida acusaram o golpe com o gol, e Sidcley passou a ser vaiado a cada toque na bola. Só que apenas cinco minutos depois, o Atlético-PR buscou novamente o empate. Gedoz arriscou de longe, a bola tocou no braço de Paredes e o árbitro marcou pênalti. O próprio Gedoz foi para a cobrança e encheu o pé, alto, no meio do gol.

O momento era outra vez do Atlético-PR, que foi para cima e viu Grafite, novamente na experiência, cavar nova falta perigosa e a expulsão de Paredes. O time da casa, então, foi todo ao ataque, mas novamente a falta de movimentação do setor fez com que a pressão se limitasse a chutes de longe e cruzamentos para a área.

Com mais de meia hora pela frente, as chances foram muitas, como aos 19 minutos, quando Thiago Heleno recebeu cobrança de falta e ajeitou para Grafite, que teve tempo para dominar e chutou para fora. Aos 34, Nikão fez grande jogada e cruzou para Pablo, que chegou atrasado.

Parecia que não seria o dia do Atlético-PR, mas a insistência na jogada aérea deu certo aos 39 minutos. Nikão cruzou da esquerda, Paulo André ajeitou de cabeça e Pablo encheu o pé para vencer Medina. Só que o Capiatá também estava levando perigo nos cruzamentos, e igualou novamente o placar aos 43. Após cruzamento da esquerda, Alexis González selou o empate.

FICHA TÉCNICA:

ATLÉTICO-PR 3 x 3 DEPORTIVO CAPIATÁ

ATLÉTICO-PR - Weverton; Jonathan, Thiago Heleno, Paulo André e Sidcley; Otávio, Lucho González (João Pedro), Nikão e Felipe Gedoz (Matheus Rossetto); Pablo e Grafite. Técnico: Paulo Autuori.

DEPORTIVO CAPIATÁ - Medina; Bonet, Paredes, Ortigoza e Néstor González; Noguera (Carlos Ruiz), Ledesma, Alexis González e David Mendieta (Rubén Monges); Irrazábal e Roberto Gamarra (Dionisio Pérez). Técnico: Diego Gavilán.

GOLS - Felipe Gedoz, aos 19, e Noguera, aos 43 minutos do primeiro tempo. Néstor González, aos sete, Felipe Gedoz, aos 13, Pablo, aos 39, e Alexis González, aos 43 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Daniel Fedorczuk (Uruguai/Fifa).

CARTÕES AMARELOS - Grafite, Sidcley, Felipe Gedoz, João Pedro (Atlético-PR); Ortigoza, Bonet, Alexis González (Deportivo Capiatá).

CARTÃO VERMELHO - Paredes (Deportivo Capiatá).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Arena da Baixada, em Curitiba (PR).

Mais conteúdo sobre:
futebol Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.