Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Com presença de Galiotte, Leila promove banquete por estatuto

Conselheira e patrocinadora do clube convida conselheiros para fechar campanha por votação para alterar tempo de mandato de presidente

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 Maio 2018 | 22h36

A empresária e patrocinadora do Palmeiras, Leila Pereira, realizou nesta quinta-feira um jantar para conselheiros e aliados políticos do clube para selar a campanha pela votação para a mudança no estatuto do clube. O evento foi destinado a 200 convidados, entre eles o atual presidente do clube, Mauricio Galiotte, e o presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim Del Grande.

+ Acórdão de TJD determina suspensão imediata de Galiotte

+ Leila Pereira acena com mais R$ 50 milhões ao clube

A presidente da Crefisa defende que na próxima segunda-feira, na reunião do Conselho Deliberativo, os membros optem pela mudança do mandato de presidente de dois para três anos, com a adoção do novo formato já a partir da próxima eleição. O pleito de novembro deve ter como adversários Galiotte contra um dos seus atuais vices, Genaro Marino.

Para conquistar apoio, nas últimas semanas a empresária realizou reuniões, buscou aliados, convidou conselheiros para viajarem em seu avião particular ver jogos do clube e promoveu por fim o jantar. O encontro foi em um hotel na capital paulista, onde Leila defendeu em entrevista coletiva o novo formato. "Eu defendo a modernidade, defendo a profissionalização do clube, defendo o protagonismo. Eu defendo os três anos porque acho que é o melhor para o Palmeiras", disse.

Leila procurou conversar com os presentes ao evento e fez um discurso de agradecimento, transmitido ao vivo aos seus seguidores nas redes sociais. A empresária já havia realizado encontro parecido em fevereiro do ano passado, quando se candidatou a membro do Conselho Deliberativo. Na noite desta quinta, o jantar teve um coquetel de abertura, seguido por um cardápio requintado no buffet.

Para a proposta de mudança no estatuto ser aprovada, será preciso ter votos da maioria simples do Conselho, número equivalente a 141 apoiadores. Na sequência, a mudança precisa ser aprovada em assembleia com os sócios. A aprovação pode ser confirmada por maioria simples e para ser recusada, precisa de dois terços dos votos.

Se a houver a alteração, Leila poderia antecipar a candidatura para presidente do Palmeiras, em 2021. No formato atual, como há um requisito de tempo mínimo como conselheira, isso só seria possível em 2022. "Eu tenho interesse em colaborar com o Palmeiras, sempre. Não penso a longo prazo. O que eu quero é continuar colaborando para o Palmeiras ser protagonista", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.