Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Com testes, seleção fecha ano contra a Coreia do Sul e mira fim de jejum

Tite faz mudanças na equipe para voltar a vencer após cinco jogos nesta terça-feira, em Abu Dabi

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2019 | 04h30

Na última chance de terminar 2019 deixando uma boa impressão, a seleção brasileira enfrenta a Coreia do Sul, nesta terça-feira, a partir das 10h30 (horário de Brasília), em amistoso marcado para Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, no Estádio Mohammed Bin Zayed, onde também buscará encerrar o seu jejum de vitórias.

Após faturar o título da Copa América, disputada em solo nacional, em julho, a seleção brasileira não venceu mais. E não foi por falta de oportunidades, afinal, a equipe entrou em campo para cinco amistosos desde então, com derrotas para Peru (1 a 0) e Argentina (1 a 0), e empates contra Colômbia (2 a 2), Senegal (1 a 1) e Nigéria (1 a 1).

Os resultados ruins e o futebol fraco apresentado dentro de campo nesses compromissos aumentaram a pressão sobre Tite, especialmente após a seleção ser dominada pela Argentina na última sexta-feira, em amistoso disputado em Riad, na Arábia Saudita, onde perdeu por 1 a 0. "Desesperado não estou. Sou um cara muito feliz e realizado. Sei das pressões, mas não tem desespero. Sou um cara bem resolvido em relação a isso. Tem a busca de fazer um grande jogo, fazer um grande espetáculo, que a gente ganhe e jogue muito. Que a Coreia jogue muito, mas a gente saia vencedor", disse Tite.

O treinador, que não pode contar com Neymar nesta Data Fifa, tem um desfalque por lesão, do lateral-esquerdo Alex Sandro, que havia sido titular no clássico sul-americano. A sua vaga vai ser ocupada por Renan Lodi, mas as alterações não vão se resumir a essa, pois Tite decidiu fazer outras quatro trocas. A principal delas se dará no meio-campo, com a entrada de Fabinho, destaque do Liverpool, assumindo a vaga que parecia ser cativa de Casemiro. Ele terá a companhia de Arthur no setor, assim como de Lucas Paquetá, embora o jovem do Milan tenha sido bastante criticado por sua atuação contra a Argentina, sendo substituído no intervalo.

 

Além da entrada de Alex Sandro, a defesa contará com outra novidade, o zagueiro Marquinhos, que substituirá Thiago Silva e formará dupla com Eder Militão, que receberá nova chance como titular. Já no ataque, o único mantido por Tite em relação ao time que iniciou o duelo com a Argentina vai ser Gabriel Jesus, ainda que o jogador do Manchester City tenha perdido um pênalti quando o amistoso estava empatado em 0 a 0. O treinador, então, resolveu apostar em Philippe Coutinho e Richarlison.

As trocas ocorrem em um momento de contestação a Tite e também na última chance para o treinador realizar testes mais radicais, pois as Eliminatórias Sul-Americanas começarão em março, para quando se espera que a seleção conte com um time-base mais consolidado para buscar a sua classificação à Copa do Mundo de 2022 no Catar.

O conservadorismo nas escalações, aliás, tem sido a principal razão das críticas ao trabalho do treinador, com a avaliação de que ele tem realizado com lentidão a renovação da equipe, pois até convoca jogadores promissores, como Rodrygo, mas prefere apostar na utilização de veteranos, como Willian e Thiago Silva, ambos agora sacados da equipe. "Rodrygo é com calma. O fato até de ter entrado no jogo (contra a Argentina) foi um plus extraordinário. Estão entrando atletas mais rodados, que tem naturalidade maior. Tem o momento certo para fazer a coisa certa. Com 58 anos e tenho que ter responsabilidade, não posso exigir que um garoto de 18 anos tenha essa maturidade", justificou Tite.

Adversário do Brasil, a Coreia do Sul dá uma pausa na sua participação nas Eliminatórias Asiáticas para a Copa do Mundo de 2022 para fazer um teste contra a equipe de Tite. Na última quinta-feira, empatou por 0 a 0 com o Líbano, resultado que a deixou na liderança do seu grupo na segunda fase do qualificatório, com oito pontos somados em quatro jogos.

A Coreia do Sul é dirigida pelo técnico português Paulo Bento, com passagem apagada no futebol brasileiro pelo Cruzeiro. O time tem o meio-campista Heung-Min Son, do Tottenham, como seu capitão e principal estrela, estando invicto desde janeiro, com cinco vitórias e quatro empates após ser eliminada nas quartas de final da Copa da Ásia com a derrota por 1 a 0 para o Catar. As seleções se enfrentaram pela última vez em outubro de 2013, com o Brasil ganhando o amistoso disputado em Seul por 2 a 0, com gols de Neymar e Oscar.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL X COREIA DO SUL

           

BRASIL - Alisson; Danilo, Marquinhos, Eder Militão e Renan Lodi; Fabinho, Arthur e Lucas Paquetá; Philippe Coutinho, Gabriel Jesús e Richarlison. Técnico: Tite.

COREIA DO SUL - Kim Seung-Gyu; Kim Jin-Su, Lee Yong, Kim Young-Gwon e Kim Min-Jae; Lee Jae-Sung, Nam Tae-Hee, Jung Woo-Young e Hwang In-Beom; Son Heung-Min e Hwang Ui-Jo. Técnico: Paulo Bento.

ÁRBITRO - Ammar Al-Jeneibi (Fifa/Emirados Árabes Unidos).

HORÁRIO - 10h30 (horário de Brasília).

LOCAL - Estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.