Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Corinthians e Santos fazem clássico agitado, mas ficam no 0 a 0 pelo Paulistão

Rivais desperdiçam boas chances e não saem do zero em jogo disputado na Arena

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2019 | 18h19

Em um clássico marcado pela intensidade e ofensividade, com os dois times buscando a vitória, Corinthians e Santos empataram por 0 a 0 na Arena Corinthians, neste domingo. O primeiro tempo foi dominado pelo Corinthians, que talvez tenha feito o melhor primeiro tempo do ano. Na etapa final, o Santos equilibrou o jogo com duas substituições precisas de Jorge Sampaoli e teve chances para ganhar. 

Com o resultado, o Corinthians está praticamente classificado como líder do Grupo C do Paulistão. O técnico Fábio Carille continua com ótimo aproveitamento em clássicos. Ele dirigiu o Corinthians 22 vezes contra rivais, com 14 vitórias, cinco empates e três derrotas. Já classificado para o mata-mata do Paulistão e lutando para se manter como o dono da melhor campanha geral, o Santos de Sampaoli mostrou poder de reação na segunda etapa, depois de ter sido dominado no primeiro tempo. 

Uma chuva de papel picado, promovida pelo próprio Corinthians, atrasou o início do clássico. O árbitro Douglas Marques pediu a limpeza na grande área, pois as linhas não estavam visíveis. Funcionários da limpeza entraram com vassouras para limpar as linhas da grande área. O momento curioso significou um atraso de 11 minutos. 

O Santos começou com um esquema formado por três zagueiros, recuando Alison para atuar ao lado de Gustavo Henrique e Aguilar. Para explorar essa marcação em linha, o Corinthians apostou em lançamentos longos para Clayson, Pedrinho e Boselli. E também surpreendeu o rival com algumas variações. Velocidade pelos lados para invadir a defesa santista, com bolas longas e triangulações, inversões para abrir espaços e marcação na saída de bola para não deixar o rival pensar: a receita corintiana para dominar o clássico teve vários ingredientes. 

Sempre acelerando o jogo, o Corinthians foi mais perigoso no início. Após um chutão aos 11, Sornoza acertou um belo chute e assustou Vanderlei. Um chute de Danilo Avelar que desviou na zaga deu ares de pressão para o bom momento do time da casa. Fez muito bem para Carille a semana livre para treinamentos, a primeira desde o início da temporada. 

Atento, Sampaoli desfez o esquema com três zagueiros para tentar diminuir a vulnerabilidade de sua defesa. Mas não conseguiu frear a intensidade corintiana. Aos 31, o time chegou na cara de Vanderlei em três lances. A partir daí, a pressão foi permanente, no campo do Santos. Primeiro tempo ruim do time do Santos, que saiu no lucro por não ter levado gols. Talvez tenha sido o melhor primeiro tempo do ano do Corinthians. 

Sampaoli fez duas alterações no intervalo para tentar se recolocar no jogo. Protagonista da polêmica da semana no Santos por ter faltado aos dois treinos de terça-feira, Cueva entrou no lugar de Alison. A outra mudança foi a entrada de Rodrygo no lugar de Jean Lucas. 

O Santos melhorou e conseguiu equilibrar a partida. Parou de tomar sufoco. Carlos Sánchez, uma das principais figuras santistas, esteve sumido do jogo, escanteado pelo lado direito. Agora, jogava mais centralizado. Aos 11, Jean Mota conseguiu finalizar bem e Cássio fez grande defesa. O lance foi o símbolo de que o time tinha voltado para o jogo. 

O ritmo da partida diminuiu, mas as oportunidades continuaram a aparecer. Em sua primeira jogada depois de substituir Pedrinho, Vagner Love levou perigo. Ele ganhou de Gustavo Henrique, cruzou e Vanderlei salvou. Aos 30, Cássio deu um grande susto na defesa corintiana. Ele saiu jogando errado e deu a bola nos pés de Cueva. O peruano tentou por cobertura, mas errou o alvo. Constrangido com a grande falha, o goleiro pediu desculpas. 

Na reta final, o Santos equilibrou o número de chances perdidas, com Dérlis, mas o Corinthians foi agudo até o final. Só faltou o gol em um dos melhores jogos deste Paulistão.

Ficha técnica

Corinthians 0 x 0 Santos

Corinthians: Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Pedrinho (Vagner Love), Clayson (André Luís) e Boselli (Mateus Vital). Técnico: Fábio Carille. 

Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, Felipe Aguillar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison (Cueva), Diego Pituca, Jean Lucas (Rodrygo), Jean Mota e Carlos Sánchez (Matheus Ribeiro); Derlis Gonzáles. Técnico: Jorge Sampaoli. 

Juiz: Douglas Marques. 

Amarelos: Alison, Fagner, Matheus Ribeiro e Derlis Gonzáles. 

Público: 41.404 pagantes

Renda: R$ 2.197.534,00. 

Local: Arena Corinthians.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.