Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Diego Tardelli é ameaçado e tem carro apedrejado por santistas após eliminação: 'cena de terror'

Atacante é hostilizado ao sair da Vila Belmiro depois da derrota do Santos para o Athletico-PR na Copa do Brasil por 1 a 0; jogador fez sua estreia

Redação, Estadão Conteúdo

15 de setembro de 2021 | 08h34

A eliminação do Santos nas quartas de final da Copa do Brasil não foi a única notícia ruim para o atacante Diego Tardelli, recém-contratado pelo clube e que jogou alguns minutos na derrota por 1 a 0 para o Athletico-PR, nesta terça-feira, no estádio da Vila Belmiro, em Santos. Ele fez sua estreia no time. Logo após o jogo, já na madrugada de quarta, o jogador relatou nas redes sociais ter recebido ameaça de morte ao ser atacado por torcedores revoltados. Tardelli também teve seu carro depredado.

Por meio das redes sociais, o atacante lamentou a situação e afirmou ter sido uma verdadeira "cena de terror", que ele nunca havia passado por essa situação na carreira. Tardelli ainda ressaltou que torcedores estão no direito de cobrar, mas não de vandalizar e ameaçar.

"Fomos eliminados, infelizmente. Todos tristes, chateados, mas eu quero contar uma cena de terror que passei na minha vida e jamais imaginaria que fosse passar por isso. Estava chegando próximo ao hotel e acredito que três ou quatro carros me seguiam pelas ruas. Parei no sinal, me fecharam e começaram a quebrar meu carro, chutar, amassar, falavam que eu ia morrer. Aquela tortura que fazem quando as coisas não vão bem. Fiquei triste e chateado. Contando alto, dez pessoas, dez torcedores, dez vândalos", relatou o atacante.

Logo após o apito final, alguns torcedores protestaram contra o elenco em frente da Vila Belmiro. Não havia público no estádio por causa da pandemia. Gritos como "joga, vagabundo! Respeita o Santos, o maior time do mundo" e "vergonha, time sem vergonha" foram cantarolados durante a ação dos santistas.

"A torcida tem direito de cobrar, a fase não é das melhores, mas isso não justifica o que eu passei. Primeira vez que passo em 15, 20 anos de carreira. É muito triste passar por isso. A torcida pode ir ao CT, em qualquer lugar cobrar, xingar, mas agredir, quebrar carro e tocar o terror não cabe mais no futebol. Não vai haver punição", reclamou.

O Santos acumulou duas derrotas por 1 a 0 nos confrontos com o Athletico-PR. No dia 25 de agosto, em duelo na Arena da Baixada, em Curitiba, o jogo foi marcado por polêmica com a arbitragem. Nesta terça, novo revés, desta vez em casa. A eliminação deixou o clube sem uma premiação de R$ 7,3 milhões, quantia recebida pelo time que chegasse à semifinal da competição.

"Poderia ter acontecido qualquer coisa comigo. A sorte que encontrei um policial no caminho ao hotel e ele me escoltou até a porta. Eu estou bem, gente. Aqui no hotel já, no meu quarto. Vou descansar para o treino de amanhã. Mas fica minha indignação. Não esperava esse tipo de reação da torcida. Estamos cansados e sabemos que alguns fazem isso quando as coisas não vão bem. Essa meia dúzia que não representa a torcida do Santos e outros clubes", disse Diego Tardelli.

Em nota oficial, o Santos condenou a atitude dos supostos torcedores e manifestou apoio ao atacante de 36 anos. "Sobre o episódio ocorrido durante a madrugada com o jogador Tardelli e com outros membros do elenco, com ameaças, perseguições, emboscadas e atos de depredação, o Santos FC repudia veementemente a atitude de vândalos travestidos de torcedores e ressalta que dará todo o apoio para que as medidas legais sejam adotadas para o reconhecimento e a punição dos agressores. O Clube não reconhece essas pessoas como torcedores e sim como bandidos. A torcida tem o direito de protestar sobre os resultados, desde que de forma civilizada", afirma o comunicado.

Com a eliminação, o Santos disputará apenas o Campeonato Brasileiro, pelo qual não vive bom momento. O clube é o 13.º colocado na tabela de classificação com 23 pontos, muito próximo da zona de rebaixamento. O próximo compromisso é diante do Ceará, neste sábado, na Arena Castelão, em Fortaleza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.