Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Dodô nega Santos apático fora de casa e admite vergonha por goleada

Lateral defende Jair Ventura e minimiza discussão entre Alisson e Vanderlei

Estadão Conteúdo

08 Maio 2018 | 10h38

Dois dias após o Santos sofrer a sua pior derrota na temporada, a goleada por 5 a 1 aplicada pelo Grêmio, o lateral-esquerdo Dodô saiu em defesa da equipe e apontou não enxergar fragilidades no time quando atua como visitante, ainda que o tenha sofrido a terceira derrota consecutiva quando atua longe de casa.

+ Mesmo sem jogar no Santos, Yuri Alberto é 'vetado' e fica fora da seleção sub-20

+ Santos transfere jogo contra Real Garcilaso para a Vila Belmiro

"Esse ano já conseguimos bons resultados fora de casa. Vencemos São Paulo, Palmeiras e Estudiantes. Vale a pena relembrar. Nessas duas últimas partidas, realmente fizemos jogos um pouco abaixo, mas estamos trabalhando para melhorar. Não somos apáticos, tanto que o Grêmio, mesmo com a goleada, não tomava gol há muito tempo", afirmou, recordando importantes vitórias que o Santos teve como visitante nesta temporada.

Apesar de apontar que o placar de 5 a 1 foi exagerado, Dodô reconheceu que o elenco santista ficou envergonhado com o duro revés. Além disso, foi mais um santista a tentar minimizar a discussão ocorrida entre Vanderlei e Alisson durante o duelo de domingo na Arena do Grêmio.

"Ficamos chateados e envergonhados de sofrer uma goleada. Acho que nossa atuação não foi tão abaixo. Eles aproveitaram as chances e o Maicon foi muito feliz em momentos importantes do jogo. Acabamos nos abrindo um pouco demais por querer buscar o resultado. Discutir faz parte, mostra que estávamos insatisfeitos com o resultado e nos cobrando", disse.

A goleada aplicada pelo Grêmio provocou protestos dos torcedores santistas, situação encarada com naturalidade por Dodô. Mas o lateral também lembrou que o time faz boa campanha na Copa Libertadores para defender o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo técnico Jair Ventura, um dos alvos de contestação da torcida.

"O torcedor é passional, não podemos ter a mesmo reação deles. Não é momento de jogar fora tudo o que a gente fez. Temos uma boa campanha na Libertadores, somos uma das poucas equipes já classificadas. No início do Brasileiro, temos uma vitória em casa e duas derrotas fora. Não é um absurdo ou uma crise, embora nos deixe chateados", comentou.

Após o duro revés, o Santos voltará a jogar na quinta-feira, quando estreará na Copa do Brasil no duelo com o Luverdense, válido pelas oitavas de final, na Vila Belmiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.