Rubens Chiri / São Paulo
Rubens Chiri / São Paulo

'Em nenhum momento falaria que o São Paulo é favorito', diz Aguirre

Treinador uruguaio mantém discurso de que ainda falta muito campeonato e fala que é preciso 'manter o nível'

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

12 Agosto 2018 | 20h09

A quinta vitória do São Paulo em seis jogos pelo Campeonato Brasileiro depois da Copa do Mundo da Rússia não mudou em nada o pensamento do técnico Diego Aguirre. Apesar de a equipe liderar a competição pela segunda rodada consecutiva e estar perto de confirmar o título simbólico do primeiro turno, o uruguaio mantém o discurso de que é cedo para falar em favoritismo.

"Isso, eu não falo. Em nenhum momento eu iria falar que o São Paulo é favorito. Estamos bem, em um campeonato difícil, com muito jogo pela frente. Temos que trabalhar cada vez mais, porque tem muito jogo e vamos encontrar muitas dificuldades. Não podemos falar de favorito, de campeão, nada", pediu Aguirre, depois da vitória deste domingo por 3 a 1 sobre o Sport, na Ilha do Retiro, no Recife.

Com 38 pontos em 18 jogos, o São Paulo ostenta sua melhor performance nos pontos corridos desde que o sistema foi introduzido no Brasileirão, em 2003. Nem mesmo na série do tricampeonato (2006 a 2008), o time conseguiu somar tanto com o mesmo número de partidas disputadas.

"Temos uma boa pontuação, mas o importante é manter o nível. Como falo sempre, temos que tentar ganhar o próximo jogo. A pontuação agora é boa, mas o importante são os pontos ao fim do campeonato, não agora. Temos que manter a regularidade e ir jogo a jogo", enfatizou o treinador.

A equipe encerra sua participação no primeiro turno domingo que vem, quando recebe a Chapecoense, às 19h, no Morumbi. Se vencer, garantirá a primeira colocação na tabela, independentemente do resultado do Flamengo, que vai até a Arena da Baixada, em Curitiba, encarar o Atlético-PR. Mas poderá nem precisar ganhar dos catarinenses, já que os cariocas entrarão em campo mais cedo, às 11h. Ou seja, o São Paulo já saberá do que vai precisar para não perder a liderança.

Só elogios. Aguirre gostou da atuação de seus pupilos no Recife e fez questão de destacar alguns jogadores em sua entrevista concedida após a partida.

"Valorizamos a bola, tivemos personalidade para administrar os momentos do jogo. Quando estávamos ganhando, o time não perdeu a bola, teve muita qualidade para jogar. Em todo momento estávamos ameaçando o Sport, porque as transições foram muito boas, com Rojas, com Everton. Fizemos um jogo muito bom do princípio ao fim", apontou.

Mesmo no fim do jogo, quando o Sport ensaiou uma pressão depois do gol de falta de Marlone, aos 41, Aguirre viu aspectos positivos: "Sofremos um pouco nos últimos minutos, mas faz parte. Foi bom, porque sofremos o gol e fomos buscar o terceiro, que deu tranquilidade. Estou feliz, realmente, porque os jogadores estão mostrando um alto nível e temos que continuar assim".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.