Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Em nota, Corinthians lamenta confusão na eleição e pede punição a 'invasores'

Clube diz ter acionado autoridades e conta com imagens feitas pela imprensa para identificar brigões

Estadão Conteúdo

04 de fevereiro de 2018 | 15h20

O Corinthians se pronunciou oficialmente neste domingo sobre a confusão ocorrida na eleição para presidente do clube no sábado, que terminou com o novo presidente, Andrés Sanchez, encurralado no banheiro feminino e sem poder terminar o seu pronunciamento após ser eleito para presidir o clube pela segunda vez.

Corinthians sob nova direção e Sheik de volta encara o Novorizontino

"O Sport Club Corinthians Paulista lamenta profundamente o episódio ocorrido após a apuração da eleição para Presidente e Conselheiros que aconteceu no sábado (03 de fevereiro de 2018)", informa o clube, que diz ter comunicado as autoridades solicitando policiamento para o dia do evento.

"Como o acontecimento foi público e com vasto material colhido pela imprensa, o Corinthians espera que os invasores sejam identificados e punidos pelas autoridades. O Sport Club Corinthians Paulista também espera que situações como essas não se repitam", informa o clube.

Na nota, o clube afirma ainda que o jornalista Flavio Ortega, da ESPN, agredido durante a confusão, recebeu uma ligação de Andrés. "O presidente, que assumiu o cargo após a eleição, ligou pessoalmente ao repórter Flávio Ortega dos canais ESPN, se desculpando pelo fato e lamentando o ocorrido."

A confusão teve início quando Sanchez começou a dar entrevista coletiva no ginásio onde ocorreu a eleição. Menos de 10 minutos depois, torcedores revoltados com o resultado começaram a xingar e jogar cerveja no dirigente. Os seguranças do clube reagiram e houve empurra-empurra. Acuado, Andrés Sanchez tentou sair do ginásio, mas não teve sucesso, já que fecharam o caminho. Acabou tendo que se esconder no banheiro feminino.

Os seguranças fizeram um cordão de isolamento na porta do banheiro e ficaram cerca de 20 minutos. Com receio de uma invasão, os seguranças chamaram a Polícia Militar. Do lado de fora do banheiro, muita discussão, empurrões e troca de acusações entre torcedores. Alguns diziam que Andrés enganou a torcida e outros afirmavam que ele não teria paz durante todo o mandato.

Os ânimos começaram a ser acalmados quando o presidente chegou no estacionamento. Depois de 30 minutos, Andrés deixou o Parque São Jorge deitado no banco de trás de um carro.

Andrés Sanchez foi eleito para o seu segundo mandato como presidente do Corinthians ao conquistar 1.235 votos. O segundo lugar ficou com Paulo Garcia, que teve 834 votos. Em seguida vieram Antônio Roque Citadini (803), Felipe Ezabella (461) e Romeu Tuma Jr.(278). Antes, Andrés havia presidido o clube de 2007 a 2012. Para reassumir a presidência, o dirigente terá que abrir mão de terminar seu mandato de deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores.

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.