Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Fama 'surpresa' e pai treinado por Luxemburgo: saiba mais sobre Gabriel Menino, do Palmeiras

Em entrevista ao 'Estado', volante exalta início positivo no clube e conta o quanto a vida mudou após ser promovido ao profissional

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

07 de fevereiro de 2020 | 10h06

Uma ida ao supermercado junto com a mãe mostrou ao volante Gabriel Menino o quanto a vida dele mudou neste ano depois de ter virado titular no Palmeiras. O jogador de 19 anos foi promovido ao time profissional em janeiro e pensou que conseguiria fazer compras com tranquilidade sem ser reconhecido. Mas ficou surpreso quando alguns torcedores começaram a cumprimentá-lo e pediram para tirar fotos com ele.

A rotina mudou para Gabriel Menino de forma tão fulminante como tem sido seu início no Palmeiras. O jogador foi titular em três das quatro rodadas do time no Campeonato Paulista. "O impacto foi muito grande na minha vida. Eu não esperava que tudo seria tão rápido. Mas trabalhei para isso. Daqui para frente, espero evoluir cada vez mais", disse o jogador em entrevista exclusiva ao Estado na Academia de futebol.

O novato já estava feliz em apenas ser promovido ao elenco principal em 2020. Porém, o ano novo lhe trouxe mais surpresas. A titularidade no meio-campo veio por escolha do técnico Vanderlei Luxemburgo, um velho conhecido da sua família. O pai do volante, Paulo, conviveu com o treinador no fim da década de 1980. Luxemburgo comandava o time de Bragança Paulista, enquanto Paulo era zagueiro das categorias de base do Bragantino e de vez em quando participava de atividades no elenco profissional.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Meu pai saía muito, então sempre me aconselha agora para eu não fazer coisas erradas na carreira
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gabriel Menino, volante do Palmeiras

A carreira do pai durou pouco. Paulo quis parar com o futebol para trabalhar em pedreiras e ser peão em fazendas. Não era um zagueiro tão promissor. "Meu pai saía muito, então sempre me aconselha agora para eu não fazer coisas erradas na carreira. Ele me cobra para eu dormir bastante e cedo, valorizar o descanso para poder treinar bem e quer que eu seja focado", disse Gabriel, que tem o Menino como sobrenome herdado do pai.

Nascido na pequena Morungaba, perto de Campinas, Gabriel Menino começou no futebol como zagueiro. A primeira experiência foi no Guarani, onde ficou dos 13 aos 17 anos. O Palmeiras precisou chamá-lo duas vezes para o garoto ser convencido a vir para São Paulo. "Eu recusei na primeira vez porque não estava preparado. Pedi para o meu treinador no Guarani me ajudar a crescer, porque que não queria vir para o Palmeiras e não me firmar. Eu estava certo", contou.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
A melhor coisa que sei fazer na minha vida é jogar futebol. Então, não me sinto pressionado
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Gabriel Menino, volante do Palmeiras

Gabriel Menino ainda se diz tímido para entrevistas, porém garante que dentro de campo se sente tranquilo. Quando soube do treinador que ele seria titular, o jogador não ficou ansioso e se manteve plenamente confortável. "Eu sempre fui tranquilo. A melhor coisa que sei fazer na minha vida é jogar futebol. Então, não me sinto pressionado. Estou feliz e alegre", disse.

O ambiente do elenco profissional é uma novidade para o garoto. Pelo menos outras revelações foram promovidas junto com Gabriel e lhe ajudam a se sentir em casa. Lucas Esteves, Patrick de Paula, Alan, Gabriel Veron e Wesley são alguns dos calouros de Luxemburgo. Todos não escaparam de um trote comandado pelo goleiro Jailson e tiveram os cabelos raspados.

"Eu tentei escapar da brincadeira de vários jeitos, mas não deu (risos)", contou. O volante também sabe que não conseguirá mais evitar ser reconhecido nas ruas. Se antes ir com a mãe ao supermercado era uma tarefa comum, agora ficou complicado. "Eu pensei que pudesse fazer as compras tranquilidade como sempre fiz e que não fosse ter uma repercussão tão grande. Mas sei que agora tudo mudou", admite.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.