Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Fifa vai avaliar medidas contra encenação de atletas em faltas sofridas

Entidade quer lutar contra simulações que, para Gianni Infantino, se configurariam em 'perda de tempo' em campo

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2018 | 11h09

A Fifa quer avaliar medidas que possam ser adotadas para punir e lutar contra encenação no futebol. O assunto faz parte da agenda do presidente da entidade, Gianni Infantino, que tem falado a pessoas próximas a ele que estaria preocupado com a "perda de tempo" em campo por conta da atitude de jogadores. 

+ Polêmica, Copa do Catar-2022 deve render US$ 6 bilhões para a Fifa

+ Presidente da Fifa convida jovens presos em caverna na Tailândia para final da Copa

+ Tá russo! Valores invertidos na Fifa

O problema não se refere apenas a Neymar, alvo de críticas de ex-jogadores internacionais, torcidas dirigentes e mesmo adversários. Mas o suíço se queixou da “perda de tempo” que a encenação estaria gerando, num sentido mais amplo, e não apenas com jogadores que sofrem faltas. 

Sua avaliação interna é de que, sempre que um time está ganhando, um jogadores parecem abusar de certos lances para ganhar tempo e encenar contusões. 

 

Na semana passada, o Estado revelou como membros do Conselho da Fifa estavam irritados com o comportamento de Neymar em campo, alertando que suas encenações estariam prejudicando a seleção. A televisão estatal suíça chegou a calcular o tempo que Neymar ficou no chão durante a Copa do Mundo, atingindo a marca de 14 minutos. Infantino ainda teria citado a demora de jogadores quando são substituídos, insistindo que o assunto também teria de ser debatido.  

EUROPEUS

O presidente da Fifa ainda notou o fato de que uma quarta Copa do Mundo ficará com um país europeu, além de três Mundiais Sub-20 e uma Copa Sub-17.  Sua avaliação é de que um ponto central do sucesso europeu foi o sistema de licenciamento de clubes, implementado há quase 20 anos pela Uefa e com Infantino na condição de secretário-geral da entidade. 

A regra criada por ele era de que todos os clubes europeus tivessem três times de base. Mais de 50% não tinham e o resultado foi a criação de um corpo de jovens jogadores que, hoje, estão dando resultados.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.