Alexandre Vidal / Flamengo
Alexandre Vidal / Flamengo

Flamengo pega San José por tranquilidade e liderança antes de jogos fora de casa

Adversário desta noite teve greve de jogadores na semana passada e admite que não tem aspirações na Libertadores

Redação, Estadão Conteúdo

11 de abril de 2019 | 08h30

O Flamengo tem a oportunidade de assumir a liderança do Grupo D da Copa Libertadores, nesta quinta-feira, às 21 horas, no Maracanã, ao enfrentar o San José, da Bolívia, pela quarta rodada da principal competição sul-americana. O time do técnico Abel Braga precisa vencer por três gols de diferença. Desta forma, empataria em pontos ganhos com o Peñarol (nove), mas o superaria no saldo de gols (7 a 6).

Além da primeira colocação na chave, a equipe da Gávea também poderá dar um passo muito grande rumo à classificação para as oitavas de final, pois abriria cinco pontos de vantagem sobre a LDU, a duas rodadas do fim da fase. E isso é importante porque os dois últimos jogos do Flamengo na fase de grupos serão no campo do adversário: dia 24 frente à LDU, no Equador, e em 8 de maio frente ao Peñarol, no Uruguai.

O resultado positivo também vai servir para dar tranquilidade à equipe da Gávea se concentrar na decisão do Campeonato Carioca, a partir de domingo, diante do rival Vasco, e deixar para trás a decepção pela derrota para o Peñarol, no Maracanã, em seu compromisso anterior na Libertadores.

Para o duelo com o San José, Abel tem problemas para escalar o ataque. Com Uribe machucado e Gabriel suspenso, o treinador espera contar com Bruno Henrique, mas o jogador sofre com um problema muscular e só terá sua escalação definida momentos antes do jogo. Caso ele não atue, o garoto Vitor Gabriel, de 19 anos, pode ganhar uma chance para atuar no setor ofensivo, que também pode ter o uruguaio Arrascaeta como novidade - disputa vaga com Vitinho.

O goleiro Diego Alves prefere não pensar em facilidades, mesmo em um confronto com o lanterna da chave. "Todos pensam que vai ser fácil, que o Flamengo vai passar o carro, mas temos um adversário preparado, teve troca de técnico, e jogo de Libertadores nunca é fácil. Não podemos nos deixar levar pela emoção e vontade da parte externa, temos que ser cautelosos nesse sentido. Saber da nossa responsabilidade. Somos nós que temos que buscar o resultado com muita cautela, muito respeito."

O San José, que só tem um ponto ganho, passa por grande crise. Liderados pelo capitão, Didi Torrico, os jogadores fizeram greve na semana passada de dois dias por causa da falta de pagamento dos prêmios por vitória. E o time admite ter poucas aspirações na sequência da Libertadores.

"Por que vamos mentir para as pessoas? Estamos fora da Libertadores. Vamos ter de começar de novo para alcançar a classificação para outro evento internacional", disse Wilson Martinez, presidente do San José.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.