Thibault Camus/AP Photo
Thibault Camus/AP Photo

Goleada do PSG é investigada por suspeita de manipulação de resultado

Neymar marcou três na partida contra o Estrela Vermelha, pela Liga dos Campeões, mas aposta de um dirigente causa desconfiança no confronto

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2018 | 15h28

A goleada do Paris Saint-Germain sobre o Estrela Vermelha por 6 a 1, com direito a três gols de Neymar, pela segunda rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões, pode ter sido fruto de uma manipulação de resultados. A surpreendente notícia foi divulgada nesta sexta-feira pelo jornal francês L'Equipe

De acordo com o jornal francês, um informante disse para à Uefa, alguns dias antes do jogo, que um dirigente do Estrela Vermelha apostou 5 milhões de euros (cerca de R$ 22 milhões) na derrota do time sérvio por cinco gols de diferença. Ao saber do acontecido, a UEFA avisou a Procuradoria Nacional Financeira da França. 

Assim, a procuradoria destacou uma pessoa para acompanhar atentamente o jogo e observar a reação dos atletas. Segundo essa pessoa, houve "várias suspeitas" de passividade por parte dos atletas do Estrela Vermelha, mesmo sendo goleados.

O presidente do Estrela Vermelha, Dragan Dzajic, disse negar conhecer tal teoria. "Não ouvi nada sobre isso. Não é possível, não é verdade", afirmou. Já o PSG divulgou um comunicado também assegurando que não há qualquer informação sobre o assunto. 

"Nenhum membro do clube foi solicitado a discutir qualquer assunto que não fosse estritamente relacionado à organização da partida, ou seja, reuniões, visitas e outros protocolos padrão que envolvem partidas da Champions League”, manifestou-se o clube. O PSG reitera seu compromisso com os princípios fundamentais do esporte, a integridade da competição e consequentemente recusa qualquer prática que poderia colocar em dúvida essa integridade", disse o clube, através do comunicado. 

O destaque da partida foi o atacante Neymar, autor de três gols. Com o feito, ele chegou a marca de 30 gols marcados na Liga dos Campeões, se tornando, ao lado de Kaká, o segundo brasileiro com mais gols feitos na competição, atrás por um gol de Rivaldo. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.