Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Akinfeev evita rótulo de herói após pegar dois pênaltis e Rússia eliminar Espanha

Goleiro foi o responsável pela vitória por 4 a 3 nas penalidades máximas que classificou russos às quartas de final

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2018 | 14h26

Herói da partida e escolhido o melhor do jogo pela Fifa, o goleiro Igor Akinfeev respondeu apenas uma única pergunta na sala de imprensa do estádio Luzhniki, em Moscou. O atleta, que durante os 120 minutos do tempo normal e da prorrogação fez pelo menos três boas defesas e ainda defendeu as cobranças dos espanhóis Koke e Aspas, disse que "não se sentia o herói" da classificação da Rússia para as quartas de final da Copa do Mundo da Rússia diante da Espanha

+ Saiba como está a briga pela artilharia da Copa

+ Veja a tabela da Copa do Mundo

+ Confira os jogos e horários das oitavas e das fases seguintes da Copa

"Eu não acho que eu sou o herói do jogo. Acredito que esse mérito é de todo o grupo de jogadores e de todos os torcedores. Somos um grupo e conseguimos o nosso objetivo", afirmou o goleirão, sem esboçar nenhum sorriso, depois da vitória por 4 a 3 nas penalidades - no tempo normal e na prorrogação o placar foi de 1 a 1.

Depois, na segunda pergunta, o aparelho tradutor que estava com o goleiro, que fala apenas russo, deu problema. Sem jeito, o assessor de imprensa da Fifa ainda tentou repetir a pergunta para que o chefe de imprensa da seleção da Rússia passasse para Akinfeev, mas isso não ocorreu. Com um sorriso amarelo, o representante de mídia russo apenas disse "spaciba", "obrigado" na língua do goleiro, e ambos deixaram a sala.

Como boa parte da imprensa no local é russa, Akinfeev deixou a sala de imprensa aplaudido. Agora, a seleção da Rússia espera a definição do seu adversário nas quartas de final da Copa do Mundo. Os anfitriões jogarão no próximo sábado, dia 7 de julho, em Sochi, contra o vencedor de Croácia e Dinamarca, que se enfrentam ainda neste domingo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.