Érico Leonan/ São Paulo FC
Érico Leonan/ São Paulo FC

Jandrei chega ao Morumbi para ser a sombra que Volpi nunca teve em três anos no São Paulo

Dono da posição desde 2019, goleiro conviveu com reservas inexperientes e indisciplinados que nunca ameaçaram a sua titularidade

Caio Possati, especial para o Estadão, Estadão Conteúdo

25 de dezembro de 2021 | 10h00

Na última sexta-feira, o São Paulo confirmou a contratação do goleiro Jandrei, de 28 anos, por duas temporadas. O jogador, que teve uma passagem discreta pelo Santos no último semestre, chega para ser o reserva imeditato de Tiago Volpi, que oscilou de rendimento ao longo do ano e precisou conviver com as críticas da torcida durante 2021, sobretudo por falhas em momentos decisivos.

Nada garante, porém, que a recente contratação não chegue ao Morumbi para brigar, de fato, pela posição. Embora Jandrei ainda não tenha sido sequer apresentado à torcida ou treinado com os demais jogadores, ele será o companheiro de posição mais experiente que Volpi já teve desde que chegou ao São Paulo em dezembro de 2018.

Na época, vindo do México, o atual goleiro titular chegava ao Morumbi por empréstimo para substituir Sidão, um dos jogadores mais criticados pela torcida pela perda do título do Campeonato Brasileiro da então temporada. Rapidamente, Volpi assumiu a titularidade e fez Jean, reserva de Sidão, continuar sendo o substituto imediato da meta são-paulina.

Apesar da temporada oscilante do São Paulo em 2019, Volpi se destacou na maior parte dos jogos e ajudou a equipe a se classificar para a Libertadores do ano seguinte. Embora tenha falhado em alguns clássicos, a torcida do São Paulo abraçou Tiago e comemorou quando a diretoria anunciou, no fim daquele ano, a compra definitiva do goleiro por US$ 5 milhões (aproximadamente R$ 21 milhões na cotação da época). Após as passagens de Dênis, Renan Ribeiro e Sidão, muitos consideravam Volpi como o melhor goleiro após a aposentadoria de Rogério Ceni, em 2015, que hoje comanda o time.

Reservas polêmicos e inexperientes

Porém, se o São Paulo abria ainda mais as portas para um goleiro, as fechava para outro. Naquele mesmo dezembro de 2019, Jean, reserva de Volpi, foi preso nos Estados Unidos acusado de agredir a mulher durante uma viagem que a família fazia para a Disney. Foi a gota d'água para a diretoria tricolor que, em diferentes momentos, teve de lidar com problemas de indisciplina do talentoso, porém polêmico, goleiro reserva.

Jean foi emprestado ao Atlético-GO em 2020, e Volpi seguiu sendo titular, com Lucas Perri no banco de reservas. Em março,  Volpi chegou a se machucar contra a LDU, pela Libertadores, e foi substituído por Perri, que só não conseguiu ter uma sequência de jogos porque, logo em seguida, os campeonatos foram paralisados em função da pandemia da covid-19.

Volpi viveu seu melhor momento com a camisa do São Paulo no fim de 2020, quando a equipe, então comandada por Fernando Diniz, liderava o Campeonato Brasileiro com folga. Foi nessa época que o goleiro fez a melhor partida pela equipe, na vitória sobre o Flamengo por 4 a 1, em que pegou dois penâtis e deu assistência para o quarto gol. 

Falhas em clássicos e jogos decisivos

Na virada do ano, porém, na esteira da queda de rendimento do São Paulo, Volpi começou a falhar. Partidas contra o Grêmio (semifinal da Copa do Brasil) e diante do Santos (Campeonato Brasileiro) minavam a torcida tricolor daquele que seria o maior argumento contra o jogador: as falhas em clássicos e em momentos decisivos.

Foi por falhar em jogos assim que Volpi atravessou 2021 mais sob críticas do que elogios. Erros contra o Palmeiras nos dois jogos das quartas de final na Libertadores e falhas diante do Fortaleza nos dois confrontos eliminatórios da Copa do Brasil colocaram o goleiro como principal alvo da torcida.

Os torcedores, no entanto, sabiam que a solução não estava no banco de reservas. Quando teve oportunidade, ainda sob o comando de Crespo, Lucas Perri demonstrou que não estava preparado para assumir uma eventual titularidade. Isso ficou evidente na primeira partida contra o 4 de Julho, pela Copa do Brasil, em que falhas do jovem goleiro são-paulino ajudaram o time do Piauí a sair vitorioso. Nesta semana, o São Paulo emprestou o jogador para o Naútico para ele ganhar mais experiência.

Volpi é uma das lideranças do time

Volpi, porém, tem se mostrado uma liderança fora de campo. Com Rogério como treinador, é comum ver o goleiro titular conversando bastante com técnico à beira do gramado e recebendo instruções do comandante são-paulino. Neste fim de temporada, era o camisa 1 do time que dava as entrevistas e dizia concordar com as críticas recebidas pela torcida.

Em 2022, a situação para Volpi tende a ser menos confortável. Aos 28 anos e com passagens pela Europa, Jandrei chega ao São Paulo para, ao menos, dar mais competitividade a uma posição que, por anos, teve um dono só - seja por méritos do titular ou incapacidade de quem estava lá para substituí-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.