Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Jogada de Romero divide jogadores corintianos e paraguaio desabafa

Atacante fez malabarismo com a bola na cabeça, irritou palmeirenses e quase causou uma confusão no clássico

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 07h00

Romero protagonizou um lance que quase causou confusão no clássico entre Corinthians e Palmeiras. O paraguaio fez embaixadinha com a bola na cabeça na frente dos palmeirenses, esbanjando categoria. Depois, foi cobrado por alguns companheiros e defendido por outros. Ao final da partida, ele ironizou o lance.

+ Pedrinho comemora ‘melhor jogo da carreira’ e se diz mais preparado

+ Rodriguinho brilha mais uma vez e Corinthians supera o Palmeiras

“Alguns da imprensa falam que eu não tenho técnica. É engraçado, né? Aceito as críticas, é parte do futebol”, disse o atacante. Logo depois da partida, o Twitter oficial do Corinthians postou uma foto em que ele apareceu ao lado do ex-jogador Edilson, famoso por fazer embaixadinhas na final do Paulista de 99, também contra o Palmeiras, e que desencadeou em uma grande confusão.

Os jogadores do Corinthians se dividiram. Alguns aprovaram a jogada e outros criticaram. É o caso, por exemplo, de Balbuena. “Até falei para ele em campo que não era necessário. Se fosse do outro lado, eu ficaria chateado, mas cada um faz o que quer. O importante é que vencemos”, disse o zagueiro.

O meia Jadson também comentou sobre a jogada e não aprovou a atitude do colega. “Foi bonito, a torcida gostou, mas eu não faria. Se fosse do outro lado, eu não gostaria”, comentou.

Por outro lado, Henrique e Gabriel, curiosamente, dois ex-jogadores do Palmeiras, aprovaram o ato do paraguaio. “Ele mostrou categoria e não teve nenhum desrespeito. Foi o artifício usado para conseguir dominar a bola”, disse o zagueiro. “Quem ganha vai gostar do lance e quem perde vai chorar”, ironizou Gabriel.

O técnico Fábio Carille disse que não viu a jogada, pois estava falando com Mateus Vital na hora. O presidente do clube, Andrés Sanchez, deu de ombro para o assunto. “Foi o recurso do jogador, algo normal. Não vamos criar polêmica com isso. Quando fazem lá fora, todo mundo acha bonito e bate palma”, ironizou.

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.